Ismail Zitouny/Reuters
Ismail Zitouny/Reuters

Lados rivais chegam a acordo para eleições na Líbia

O pacto foi concordado em uma reunião entre os dois em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, que apoiam as forças de Haftar, assim como a Rússia e o Egito

O Estado de S. Paulo

02 Maio 2017 | 16h36

CAIRO - O primeiro-ministro do governo de união nacional da Líbia, Fayez al Sarraj, e o general Khalifa Haftar, que controla territórios no leste do país, chegaram a um acordo para realizar eleições presidenciais e parlamentares até março de 2018.    

O pacto foi concordado em uma reunião entre os dois em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, que apoiam as forças de Haftar, assim como a Rússia e o Egito. Segundo a imprensa local, o general e Sarraj também teriam chegado a um acordo para dissolver todas as milícias irregulares e para lutar contra o terrorismo.       

Além disso, o pacto prevê que as Forças Armadas sejam submetidas a um conselho formado pelo presidente do Parlamento de Tobruk (Aghila Saleh), pelo presidente do governo de união nacional (Sarraj) e pelo comandante do Exército, cargo que será dado a Haftar.       

O acordo só foi possível porque o general estava sendo bastante pressionado pelos países que o apoiam para se sentar com Sarraj e colocar fim às divisões na Líbia. Em fevereiro passado, a agência de notícias estatal do Egito havia anunciado um pacto para realizar eleições em 2018, mas a notícia acabou desmentida por aliados de Haftar.       

Sarraj, baseado na capital Trípoli, é o chefe de um governo de união nacional chancelado pelas Nações Unidas e fruto de um acordo assinado em dezembro de 2015, no Marrocos. Contudo, o gabinete não é reconhecido por Haftar, que tem sua fortaleza em Tobruk e representa as forças contrárias ao islã político.       

O atual premiê aceitaria integrar Haftar a seu governo, desde que ele fosse subordinado a um poder civil, mas o general, que comanda um conjunto de milícias chamado de Exército Nacional Líbio, pleiteia ter plena autonomia.       

Apesar de ser reconhecido pela comunidade internacional, Sarraj convive com a constante ameaça de um golpe, e não apenas por parte do grupo fiel a Haftar. Nos últimos meses, Khalifa al Ghwell, primeiro-ministro do gabinete rebelde islâmico que comandou Trípoli entre 2014 e 2016, liderou pelo menos duas tentativas de expulsar o premier da capital. / AFP 

       

Mais conteúdo sobre:
Líbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.