Lago criado por terremoto pode transbordar na China

Até agora, um total de 197.477 pessoas foram retiradas das imediações; outras 158 mil devem ser deslocadas

Efe,

04 de junho de 2008 | 01h36

O nível das águas do lago Tangjiashan, formado na província de Sichuan (sudoeste) após o terremoto que atingiu a China em 12 de maio, está a 2,37 metros de ultrapassar o limite mais baixo do dique que o contém, assinala nesta quarta-feira, 4, a imprensa local. O volume total de água do lago superou os 205,5 milhões de metros cúbicos, e a altura alcançou os 737,33 metros, de acordo com os dados fornecidos pelo Ministério de Recursos Hidrológicos da China. Estes números mostram que o ponto máximo de água cresceu 1,8 metro em relação aos dados do dia anterior, e se encontra a pouco mais de dois metros do limite mais baixo do dique formado por rochas e escombros. Até o momento, um total de 197.477 pessoas foram evacuadas das imediações do lago. No entanto, em seus planos de emergência, as autoridades locais contemplam a evacuação de outras 158 mil pessoas. O subdiretor do departamento de Estado de Controle de Inundações e Seca, Cheng Dianlong, declarou que o transbordamento do lago depende da quantidade de chuva que cair nos próximos dias. O Ministro de Recursos Hidrológicos chinês, Chen Lei, se deslocou na terça-feira junto a outros especialistas à zona, para acompanhar a evolução do tanque e coordenar as atuações em caso de piora da situação. Pequim destinou 200 milhões de iuanes (US$ 29 milhões) do orçamento central do país para controlar os lagos criados pelo terremoto, que ameaçam alagar uma área na qual vivem mais de um milhão de pessoas. No fim de semana passado, tropas do Exército extraíram mais de 135 mil metros cúbicos de terra e rochas para completar a construção de um canal com o objetivo de drenar o lago Tangjiashan. O tremor, de 8 graus de magnitude na escala Richter, e que já deixou 69.107 mortos, provocou o surgimento de 34 novos lagos, dos quais 28 correm o risco de transbordar.

Mais conteúdo sobre:
Chinaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.