Lago prestes a transbordar ameaça destruir oleoduto na China

Ele atravessa quatro províncias e municípios e é o único a levar petróleo refinado para o sudoeste do país

Efe,

06 de junho de 2008 | 05h37

O lago Tangjiashan, formado na província de Sichuan após o terremoto que atingiu a China em 12 de maio, está prestes a transbordar, e levou a Corporação Petroquímica Nacional da China (CNPC, na sigla em inglês) a advertir que pode destruir o oleoduto da companhia na região. Segundo informou a agência oficial Xinhua, o nível das águas do lago, no distrito de Beichuan, alcançou os 739,44 metros de altura, a apenas 56 centímetros do limite mais baixo do dique de contenção. "Estimamos que o nível das águas aumentará lentamente e começará a transbordar depois das 5 horas (de Brasília)", disse Rao Xiping, chefe da estação de Beichuan, pertencente ao Birô Hidrológico de Mianyang. O lago, que armazena mais de 200 milhões de metros cúbicos de água, ameaça também o duto de combustível da companhia petrolífera CNPC, que une as cidades de Chengdu e Chongqing e está localizado a 60 quilômetros do local. O oleoduto, que atravessa quatro províncias e municípios da China, é o único a levar petróleo refinado para as regiões do sudoeste do país, e transporta anualmente mais de seis milhões de toneladas de petróleo. A CNPC assinalou ter preparado um plano de emergência para o caso do incidente, e disse que se mantém em contato direto com os serviços de emergência que acompanham a evolução da situação. Os especialistas esperam o momento adequado para iniciar a drenagem da água, prevista para quinta-feira, mas adiada por alguns deslizamentos de terra em zonas próximas e por chuvas mais fortes que o esperado. O risco de transbordamento do lago forçou a evacuação de mais de 250 mil pessoas das imediações da zona. O terremoto de 12 de maio, de 8 graus de magnitude na escala Richter, causou 69.127 mortes, segundo os últimos números do Governo chinês, embora ainda haja 17.918 pessoas desaparecidas.

Mais conteúdo sobre:
Chinaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.