Lama tóxica contamina o Rio Danúbio

Metais pesados. Croácia, Sérvia, Bulgária, Moldávia, Ucrânia e Romênia estão em alerta para enfrentar catástrofe ambiental iniciada na Hungria, onde o reservatório de uma indústria de alumínio se rompeu, causando 4 mortes e inundando vilarejos vizinhos

Jamil Chade CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2010 | 00h00

O vazamento de lama tóxica provocado pelo acidente em uma indústria na Hungria chegou ontem ao Rio Danúbio, um dos principais da Europa, e pôs em alerta seis países do Leste Europeu. Para as centenas de moradores das cidades atingidas, a lama significaria simplesmente o fim de seus vilarejos, já que a contaminação levará décadas para se dissipar e o governo anuncia que não faz sentido reconstruir as casas nos mesmos locais.

Segundo as autoridades, a taxa de alcalinidade da água no segundo maior rio europeu é superior à normal e ameaça o ecossistema do Danúbio. Os vizinhos da Hungria, porém, afirmam que ainda não detectaram contaminação de seus territórios.

A análise na confluência do Rio Raba com o Danúbio mostrou ontem uma taxa de pH entre 8,96% e 9,07% , acima do nível considerado aceitável, de 8%. Entidades ambientalistas como o Greenpeace já classificam o desastre como um dos três piores da Europa nos últimos 30 anos e alertam que não se pode dizer ainda qual será o real impacto para a fauna da região. Para a Comissão Internacional de Proteção do Danúbio, o temor é de que o desastre possa ter um impacto ambiental que será sentido ainda por anos na região.

Em Bruxelas, o desastre é um sinal da persistente divisão da União Europeia. De um lado, países ocidentais com alta tecnologia e controle ambiental e, de outro, o Leste Europeu que, depois de anos de desastres naturais abafados durante os regimes comunistas, ainda sofre para adaptar-se.

A limpeza na Hungria pode demorar um ano e custar mais de 7,8 milhões de euros. Ontem, equipes tentavam diluir a lama tóxica para evitar que a poluição no Danúbio fosse ainda maior. Mas no meio da tarde de ontem, equipes já identificaram peixes mortos em afluentes do Danúbio, como o Raba e Mosoni. No Rio Marcal, as autoridades indicaram que "a vida tinha sido extinta". No Danúbio, porém, apenas alguns locais registraram a morte de peixes.

O porta-voz da equipe do governo húngaro responsável pela limpeza dos locais afetados, Tibor Dobson, afirmou ao Estado, por telefone, que, até o início da noite de ontem, nenhum metal pesado foi identificado nas fontes de água potável da região do Danúbio. Mas evitou declarar a situação como uma "vitória" e insistiu que não há como medir, até agora, a real dimensão do desastre. Argumentou que os níveis de pH da água na nascente do Danúbio estavam sendo reduzidos a taxas que poderiam evitar que o desastre ecológico se espalhasse para outros países. Para isso, a estratégia era a de jogar no Raba produtos como ácido acético. "Os principais esforços estão concentrados em salvar os Rios Raba e Danúbio", confirmou.

Para Marton Vay, do Greenpeace, a questão não é apenas a ameaça aos ricos, mas a contaminação das terras e das reservas de água.

Os governos da Croácia, Sérvia, Bulgária, Moldávia, Ucrânia e Romênia foram postos em alerta. Bruxelas também teme pelas águas do Mar Negro, onde desemboca o rio. Nebojsa Pokimica, vice-ministra de Meio Ambiente da Sérvia, confirmou ontem que passou a monitorar a cada duas horas a qualidade das águas do Danúbio em seu território. Os governos afetados e a UE iniciaram uma campanha de informação ontem e enviaram ambulâncias aos locais, além de apelar para que as pessoas não comam os peixes da região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.