Larijani e Solana continuam hoje encontro sobre programa nuclear

O principal negociador nuclear do Irã, Ali Larijani, e o responsável de Política Externa da União Européia (UE), Javier Solana, continuam neste domingo em Viena uma reunião considerada como a última tentativa de conseguir uma solução negociada para o conflito nuclear com a República Islâmica.As conversas foram iniciadas na tarde deste sábado na sede do Governo federal austríaco, em Viena, e foram interrompidas às 20h15 (15h15 GMT) depois de mais de três horas. Ambos os dirigentes disseram que a reunião foi "construtiva", enquanto Larijani destacou que se alcançaram "progressos em alguns âmbitos".Está previsto que o encontro seja retomado durante as próximas horas, disse à Efe a porta-voz de Solana, Cristina Gallach. No centro das deliberações se encontra a resposta iraniana ao pacote de incentivos econômicos e nucleares, mas também de advertências, elaborado em junho pelas cinco potências com direito a veto no Conselho de Segurança da ONU, mais a Alemanha.Teerã teria se referido a esta proposta em 22 de agosto, embora não esclareceu se a rejeitaria ou a aceitaria. Enquanto Estados Unidos, Reino Unido, França e Alemanha querempressionar o Irã o mais rápido possível com sanções comerciais e diplomáticas, Rússia e China continuam sendo reticentes.Até o momento, o Irã ignorou o ultimato imposto pelo Conselho de Segurança com data limite para 31 de agosto, no qual exigia a suspensão de seu programa de enriquecimento de urânio.Esse material, cuja produção é legal segundo o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), é especialmente sensível, porque tem aplicações civis em reatores energéticos, mas serve também para construir armas nucleares.Teerã insiste em seu direito de usar desta tecnologia, enquanto a comunidade internacional quer que o Irã suspenda essas atividades de forma voluntária como medida de geração de confiança enquanto durem as negociações.Washington deseja reiniciar as deliberações sobre o caso iraniano no Conselho de Segurança na próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.