Latinos favorecem democrata no Novo México

Planos econômicos e de imigração de Obama agradam hispânicos, que representam 37,1% dos eleitores locais

Denise Chrispim Marin, Albuquerque e Santa Fé, O Estadao de S.Paulo

03 de novembro de 2008 | 00h00

O democrata Barack Obama tem conquistado a grande comunidade latina do Novo México, que representa 37,1% dos eleitores do Estado, com suas políticas econômicas, de imigração e sobre a guerra do Iraque. A estratégia tem surtido efeito também no quadro geral do Estado, que tem cinco votos no Colégio Eleitoral. O último balanço de pesquisas do Real Clear Politics mostra o senador de Illinois com a preferência de 50,3% do eleitorado local, 7,3 ponto acima do republicano Jonh McCain."Tradicionalmente, vencem no Estado os candidatos apoiados pela maioria dos latinos", afirma Christine Sierra, cientista política da Universidade do Novo México. Os três temas principais de interesse dos hispânicos também assumiram o topo da agenda de McCain, mas Obama tem se saído melhor. Quando se trata da mudança da política de imigração, a posição de Obama é considerada menos tímida. Em seus discursos, o democrata mostrou-se comprometido com a legalização dos imigrantes ilegais e defendeu que não os quer na economia informal.McCain já deixou claro que é contra a anistia e apostará num programa de legalização somente para mães solteiras e crianças. Sobre o muro em construção na divisa entre os EUA e o México, que passará pelo Estado, o republicano preferiu lavar as mãos. Informou que, se for eleito, deixará a decisão sobre sua destruição aos governos estaduais envolvidos.Não é à toa que, no dia 25, Obama conseguiu reunir 40 mil pessoas para seu discurso na Universidade do Novo México, enquanto McCain, a 70 quilômetros, falava a uma platéia de pouco mais de 10 mil cidadãos. "Eu acredito quando Obama diz que todos estamos no mesmo barco, mas que podemos virar a página e agir de maneira diferente", disse Conchita Cruz, eleitora de 22 anos formada em Relações Internacionais, cujos pais imigraram da Guatemala. Conchita tornou-se uma das voluntárias da campanha democrata no Novo México. No Estado, Obama conta ainda com o integral apoio do governador, Bill Richardson, democrata cuja carreira foi impulsionada pelo ex-presidente Bill Clinton, mas que, nas primárias, preferiu Obama a Hillary. McCain teve menos sorte com seus colaboradores no Novo México. No final de setembro, Fernando de Baca, presidente do Partido Republicano no Condado de Bernalillo, onde está a cidade de Albuquerque, declarou que os "hispânicos se consideram superiores aos negros" e, dessa forma, "não votarão em um negro para presidente". Baca foi demitido, mas o mal-estar não passou. O bom desempenho democrata entre a comunidade latina é um fenômeno que se repete em todo o país nesta eleição. Pesquisas mostram que Obama tem 2 de cada 3 votos latinos. A repórter viajou a convite do Departamento de Estado americano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.