REUTERS/Mariana Bazo
REUTERS/Mariana Bazo

Lava Jato ameaça ex-presidentes peruanos

CPI do Congresso do Peru investiga pagamento de propinas de empresas brasileiras a políticos do país

Luiz Raatz, Enviado Especial / Lima, O Estado de S. Paulo

01 Junho 2016 | 05h00

A Comissão Parlamentar de Inquérito do Congresso Peruano que investiga o pagamento de propina de empresas brasileiras a políticos peruanos debatia nesta terça-feira em sessão fechada o relatório final das investigações após 120 dias. Estão sob investigação as obras de quatro usinas hidrelétricas no Rio Marañón, em um plano considerado de “interesse nacional” pelo ex-presidente Alan García. A construtora contratada foi a Odebrecht. 

Anotações de executivos da empresa, apreendidas no Brasil em ações de busca e apreensão da Lava Jato, foram compartilhadas pelo Ministério Público com as autoridades peruanas. O Congresso investiga trechos que podem fazer referência a Ollanta Humala, atual presidente, e García. A empresa negou irregularidades nas licitações. 

O presidente da CPI, o deputado Juan Pari, disse nesta terça-feira, antes do início da sessão no Congresso, que as empresas investigadas obtiveram rentabilidades altíssimas nos contratos com o governo peruano. O parlamentar evitou fazer previsões sobre se os dois ex-presidentes que depuseram à comissão – Alejandro Toledo e García – serão responsabilizados formalmente no relatório.

“As margens de lucro são muito altas, não há equilíbrio entre os ganhos das empresas e os do Estado”, disse Pari. “Entendo que as empresas busquem ganhar dinheiro, mas as coisas não parecem muito claras.”

A sessão que debate o relatório é fechada e o resultado das investigações só será divulgado após sua aprovação, prevista para a próxima semana, mas não se espera que haja indiciamentos. 

“A comissão da Lava Jato não teve muito impacto na eleição porque o Partido Nacionalista, do presidente Ollanta Humala, que foi citado como beneficiário de propina, não lançou candidato”, disse à reportagem o cientista político Mauricio Zavaleta, da Pontifícia Universidade Católica do Peru.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.