Lavrov pede que Ucrânia fale com rebeldes sobre regiões

O ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, pediu nesta terça-feira que Kiev abra logo conversações com os rebeldes a respeito do status das duas regiões parcialmente tomadas pelos separatistas. Ele afirmou que o cessar-fogo no leste ucraniano está, aparentemente, sendo respeitado.

Estadão Conteúdo

09 de setembro de 2014 | 09h42

Cinco soldados ucranianos foram mortos e 33 ficaram feridos desde que o cessar-fogo passou a vigorar, na noite de sexta-feira, informou um oficial da Defesa ucraniana. Os dois lados acusam-se mutuamente de violações esporádicas da trégua.

Mas Lavrov disse aos jornalistas nesta terça-feira que "no geral" o cessar-fogo tem sido observado, opinião compartilhada pelos ucranianos.

Num sinal de progresso da implementação do protocolo assinado em Minsk (capital da Bielorrúsia) na sexta-feira, a troca de prisioneiros está ocorrendo, embora cada lado tenha diferentes avaliações sobre o progresso da medida.

Na segunda-feira, o porta-voz da presidência da Ucrânia, Svyatoslav Tsegolko, disse que 648 prisioneiros ucranianos haviam sido libertados e que outro grupo de 500 estava para ser liberado pelos rebeldes, sem, contudo, dizer em que período isso iria acontecer. Já Andrei Purgin, vice-primeiro-ministro da autoproclamada República Popular de Donestk, disse a agência de notícias Interfax nesta terça-feira que as trocas estavam prestes a começar, com a libertação de 36 prisioneiros de cada lado.

Bombardeios dispersos continuavam a acontecer no leste, o que inclui Donetsk, a maior cidade mantida pelos rebeldes. Uma mulher ficou ferida durante a noite e foi levada para o hospital, informou o governo da cidade em seu site nesta terça-feira. "Por volta das 9h30, a situação na cidade é tensa", diz o comunicado emitido pela Câmara Municipal de Donetsk. Muitas partes da cidade continuam sem fornecimento de gás, eletricidade e água, embora os trabalhos de reparação da infraestrutura estejam sendo realizados, diz o documento.

Com a aparente manutenção do cessar-fogo, os dois lados apresentam versões conflitantes para um acordo político. Um conselheiro do presidente ucraniano Petro Poroshenko disse que os territórios mantidos pelos rebeldes - que englobam cerca de um terço da região industrial de Donetsk e Lugansk no leste do país - podem receber status especial, o que permitiria um autogoverno temporário, ao mesmo tempo em que permaneceria como parte da Ucrânia.

Mas Purgin disse que os rebeldes querem uma república independente que abranja a totalidade das regiões. "A Ucrânia vai continuar a tentar nos manter como parte de seu território, mas vamos continuar em nosso curso na direção da autodeterminação", declarou Purgin à agência de notícias. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
UcrâniaRússiarebeldes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.