Jacquelyn Martin/Pool/NYT
Jacquelyn Martin/Pool/NYT

Lavrov sugere que Ucrânia se torne federação

Chanceler russo também confirmou que a Rússia não cruzará fronteira do vizinho

O Estado de S. Paulo,

30 de março de 2014 | 16h52

PARIS - Em mais uma reunião para discutir a crise política no Leste Europeu com o Secretário de Estado norte-americano, John Kerry, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, sugeriu neste domingo, 30, que a Ucrânia se torne uma federação para permitir mais autonomia para suas regiões e negou que o governo de Vladimir Putin tenha interesse em avançar sobre o território de ex-repúblicas soviéticas.

Na conversa com jornalistas, Lavrov deixou claro que a Rússia acredita que a formação de uma federação é a única maneira de garantir a estabilidade e a neutralidade da Ucrânia. "Nós vemos que a melhor forma de garantir o desenvolvimento estável da Ucrânia é a transição para uma federação", disse o chanceler russo, acrescentando que o secretário de Estado dos EUA se mostrou receptivo à ideia.

Algumas autoridades norte-americanas são resistentes à mudança de regime político e afirmam que qualquer mudança na estrutura de governo da Ucrânia deve ser discutida pelos cidadãos do país. Por sua vez, os ucranianos estão receosos em descentralizar o poder, temendo que as regiões pró-Rússia se aproximem ainda mais do governo de Vladimir Putin e fragmentem o território.

Lavrov negou que as tropas que estão próximas à fronteira com a Ucrânia estejam se preparando para invadir o território do país e afirmou que o exército russo está no local fazendo apenas exercícios militares. "Não temos absolutamente nenhuma intenção ou interesse de cruzar as fronteiras da Ucrânia", disse o ministro russo.

Neste domingo, Kerry e Lavrov discutiram um plano que sugere reformas políticas e institucionais na Ucrânia, bem como o desarmamento de forças irregulares e o envio de monitores internacionais para proteger os direitos das minorias e o diálogo da Rússia com a ex-república soviética. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.