Le Pen ganhou votos também de judeus

O impressionante sucesso do líder ultradireitista Jean-Marie Le Pen no primeiro turno das eleições presidenciais francesas é preocupante para a comunidade judaica da França, cujo senso de segurança vem diminuindo em vista de uma onda de ataques contra sinagogas e outras instituições judaicas. Mas, apesar de os ataques anti-semitas estarem em seu nível mais alto desde a Segunda Guerra Mundial, um pequeno número de judeus fizeram o inesperado e votaram por Le Pen, disse Emmanuel Weintraub, porta-voz do Conselho Representativo dos Grupos Judaicos Franceses em Paris. Le Pen - um extremista carismático que durante sua longa carreira política vem sendo acusado de ser anti-semita - fez sua campanha baseado em uma plataforma de duro combate à criminalidade, recebendo resposta de uma nação onde os crimes violentos aumentaram em 10% apenas no ano passado. "Existem judeus que votaram em Le Pen, e votaram pelos mesmos motivos de outros franceses que estavam com medo de serem roubados, de serem agredidos", explicou Weintraub. Entre os poucos judeus que votaram por Le Pen, Weintraub afirmou acreditar que "uma minoria muito pequena" o fez expressando sua irritação com os ataques contra locais judaicos dos últimos 18 meses, quando houve uma escalada no conflito israelense-palestino. Líderes judeus disseram que jovens desajustados da grande população de imigrantes muçulmanos na França são os responsáveis pelos ataques, e aqueles poucos judeus que votaram em Le Pen pensavam numa revanche, segundo Weintraub. Le Pen vem sendo há décadas um virulento oponente da imigração, principalmente de países muçulmanos do norte da África, e culpa os imigrantes pelos altos índices de criminalidade. Mesmo assim, a grande maioria dos judeus votou contra Le Pen no domingo, e repetirão o voto, adiantou Weintraub. "A comunidade judaica sempre foi mortalmente contra Le Pen, e não vamos mudar", disse. O nome de Le Pen tornou-se notório entre judeus há 15 anos, quando em 1987 ele minimizou o holocausto numa entrevista a uma rádio, chamando as câmaras de gás nazistas "um detalhe na história da Segunda Guerra Mundial." O sucesso de Le Pen esteve hoje no centro do debates entre os judeus franceses preocupados com a recente onda de ataques anti-semitas, e os fizeram questionar sobre sua segurança na França.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.