REUTERS/Charles Platiau
REUTERS/Charles Platiau

Le Pen tenta se dissociar de imagem da extrema direita

Candidata nacionalista diz que ‘não é de direita nem de esquerda’ e garante que não vê UE como ‘adversária’

Andrei Netto, Correspondente / Paris, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2017 | 20h14

Os finalistas da campanha presidencial na França, Emmanuel Macron e Marine Le Pen, travaram nesta terça-feira uma disputa indireta pelo eleitorado, concedendo entrevistas às duas maiores emissoras de TV do país em horário nobre. A candidata da Frente Nacional (FN) tentou se dissociar do partido nacionalista e amenizar as críticas à União Europeia. Já o líder do movimento En Marche! tentou evitar a euforia de uma vitória antecipada.

A mudança de discurso de Marine vem se intensificando desde domingo. Além de ampliar os ataques diretos ao rival, ao qual tenta colar a percepção de “liberal radical”, ela tenta mudar sua imagem antes do segundo turno, em 7 de maio. “Eu não sou candidata da FN. Sou apoiada pela FN”, afirmou Le Pen, que até segunda-feira era presidente do partido, cargo do qual está licenciada até o fim da eleição. 

Além de se dissociar da FN, Marine tentou surfar no discurso de Macron, que se apresenta como líder de um movimento que “não é de direita nem de esquerda”. “Eu não sou nem de direita nem de esquerda”, disse a nacionalista. “Não tenho admiração por alguém que quer destruir a França, um operador de mercado financeiro que tem uma visão radical, que quer uma França submissa.” 

Em outro momento, Le Pen afirmou que “se sente europeia”, embora deseje abandonar o bloco e o euro. “Não sou adversária da Europa. Gostaria que houvesse acordos entre nações livres. É essa Europa que eu quero ver emergir.” 

Por sua vez, Macron colocou-se como antagônico a Le Pen. “A França tem valores universais. Somos tudo, salvo o encolhimento”, disse ele, referindo-se ao programa de governo antiglobalização da FN. 

De acordo com o ex-ministro da Economia, seu governo ampliará o Estado de bem-estar social para os “mais fracos” e “liberará” a atividade econômica. “Se protegermos os mais fracos, podemos ter uma sociedade mais eficaz e justa.”

Embora uma nova pesquisa do instituto Elabe tenha apontado ontem uma ampla vantagem de Macron sobre Le Pen (64% a 36%), o candidato social-liberal pediu moderação aos eleitores. “Nada está ganho”, disse.

Homenagem. Macron e Le Pen participaram nesta terça-feira das homenagens nacionais ao policial Xavier Jugelé, morto no atentado da semana passada na Avenida Champs-Elysées. Durante quase duas horas, os dois candidatos ficaram distantes 10 metros um do outro, em frieza total, sem se cumprimentar.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.