PIERRE GUILLAUD / AFP
PIERRE GUILLAUD / AFP

Lee Kuan Yew, fundador de Cingapura, morre aos 91 anos

Ex-premiê estava internado desde fevereiro pois sofria de uma grave pneumonia; Lee foi chefe de governo de 1959 até 1990

O Estado de S. Paulo

22 Março 2015 | 17h57

Lee Kuan Yew, que dominou a política de Cingapura por mais de meio século e transformou o país em uma força comercial e financeira global, sendo um modelo a mercados emergentes em todo o mundo, morreu neste domingo, 22, aos 91 anos de idade.

Lee foi chefe de governo de 1959 até 1990 e dirigiu o processo de independência em 1965. Ele lutava contra uma pneumonia grave, condição que o governo revelou mais de duas semanas depois que ele deu entrada no Hospital Geral de Cingapura, em 5 de fevereiro.

Os princípios de Lee, como foco em limpeza e eficiência do governo, políticas econômicas pró-mercado e ordem social, ajudaram a atrair investimentos maciços ao país e muitas das maiores empresas do mundo, depois que ele se tornou primeiro-ministro, em 1959.

Líderes de outros países se apressaram para copiar seu modelo, com algum sucesso, embora não atingissem o mesmo resultado ou porque não tiveram a rédea sobre a corrupção ou estavam governando países maiores, mais difíceis de serem administrados.

Lee nasceu em 16 de setembro de 1923, em Cingapura. Seu pai era originalmente da província chinesa de Guangdong e enriqueceu por meio do comércio, embora a Grande Depressão tenha acabado com a fortuna. Durante a Segunda Guerra Mundial, Lee estudou direito da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, onde se formou como primeiro de sua turma.

Depois de retornar a Cingapura, em 1950, ele se tornou advogado e construiu uma base política. Com alguns colegas socialistas que também estudaram na Inglaterra e membros de sindicatos da esquerda, fundou o PAP (People''s Action Party, em inglês), em 1954.

Cinco anos depois, Cingapura ganhou o status de independente e Lee, como líder do PAP, se tornou primeiro-ministro. /NYT 

Mais conteúdo sobre:
CingapuraLee Kuan Yew

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.