Legislatura de Taiwan chega ao fim em meio a caos

Um legislador do partido governista atirou um sapato contra o presidente do Parlamento de Taiwan, em meio a um prolongado empura-empurra que marcou o último dia da legislatura dissolvida nesta sexta-feira. A cena pode ser considerada uma reminiscência de disputas legislativas passadas, e representa outro ponto baixo na muitas vezes conturbada transição da ditadura para a democracia desta ilha do Pacífico Norte. A briga desta sexta-feira começou quando dezenas de legisladores do governista Partido Progressista Democrático (PPD) "atacaram" a mesa do presidente para impedi-lo de colocar em votação uma proposta para mudar a composição da Comissão Central Eleitoral.A comissão é responsável por administrar todas as eleições da ilha de 23 milhões de habitantes, e costuma ser considerada não-partidária. Os oposicionistas do Partido Nacionalista (PN) responderam à investida do PPD correndo para proteger o presidente Wang Jin-pyng, um dos altos caciques do PN.Um dos legisladores do PPD, Wang Shu-huei, chegou a atirar um sapato contra o presidente, mas o "projétil" acabou atingindo o alvo errado. Outro legislador, Yen Ching-piao, que não tem filiação partidária, atirou o sapato de volta, mas acabou atingindo um letreiro do PPD.Mais cedo, o legislador do DDP Lee Ming-hsien havia tentado empurrar seu colega do PN Chen Chao-jung pelo colarinho. O Legislativo de Tawian tem uma reputação de incidentes violentos desde que uma lei marcial foi desmantelada em 1987.A confusão desta sexta-feira acontece depois que a oposição - que tem uma pequena maioria dos 219 assentos da Legislatura - pediu que os membros da Comissão Central Eleitoral fossem escolhida em acordo com a representatividade do partido. Atualmente, os membros da comissão são nominados pelo governo e aprovados pelo presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.