Lei de clima pode gerar gasto extra nos EUA

Um plano do Senado norte-americano para combater o aquecimento global pode gerar um gasto adicional de US$ 100 por ano em energia para uma família típica dos Estados Unidos, segundo análise da Agência de Proteção Ambiental (EPA, da sigla em inglês). A análise divulgada pelo escritório da senadora Barbara Boxer, que chefia o Comitê de Meio Ambiente e Trabalhos Públicos do Senado, reflete o custo projetado pelo EPA quando ele examinou legislação similar que o Congresso aprovou no verão.

AE-AP, Agencia Estado

24 de outubro de 2009 | 19h25

A lei democrata pede a redução de emissão de gases que provocam o efeito estufa de usinas de energia e grandes empresas industriais com a troca de combustíveis fósseis, principalmente carvão. Isto iria capturar estas emissões e permitir a negociação destes créditos para mitigar os custos. Boxer, uma democrata da Califórnia, fará audiências públicas da lei nesta semana. O comitê ouvirá a opinião da administração Obama nesta terça-feira, incluindo o EPA.

O presidente Barack Obama disse, em um discurso na sexta-feira, em Boston, que ele acredita que um consenso está nascendo no Congresso na questão do clima. Mas ele também acusou alguns oponentes de fazerem afirmações cínicas que contradizem as evidências científicas de que a Terra está ficando mais quente na tentativa de fugir à legislação.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAclimalei

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.