Lei de Mídia abre brecha para criação de canal indígena na Argentina

Canal, que será inaugurado na sexta, é comandado por jovens que dizem representar etnia mapuche

ARIEL PALACIOS, CORRESPONDENTE EM BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2012 | 02h10

"Wall Kintun TV" é o nome do primeiro canal de TV de comunidades indígenas da história argentina. O canal - cujo nome significa "olhar circular" no idioma mapuche - será inaugurado sexta-feira, em Bariloche. A abertura da emissora é consequência da Lei de Mídia, que em seu Artigo 37 concede aos povos indígenas a autorização direta para a posse e funcionamento de canais de TV e estações de rádio.

No entanto, o canal não é comandado pela etnia mapuche de Bariloche, mas pela "Cooperativa de Serviços Audiovisuais Mapuche", composta por 15 jovens que afirmam representar a comunidade.

Segundo a deputada estadual Rota Liempe, do Partido Unidade Popular, de esquerda, "os povos indígenas estão sendo usados como pretexto para fazer de conta que a lei está sendo cumprida e os indígenas estão totalmente integrados na sociedade".

Líderes indígenas sustentam que os canais que o governo está distribuindo a diversos grupos não representam as etnias existentes, já que mudanças recentes na legislação criam um cenário no qual ONGs compostas por indígenas de várias origens podem ser reconhecidas genericamente como "comunidades indígenas".

O canal terá programas infantis. Mas boa parte da programação não terá nada a ver com os mapuches, já que retransmitirá programas do canal estatal cultural Encuentro, entre outros. Embora seja formalmente "independente" o canal funcionará no edifício do governo provincial de Rio Negro, em Bariloche.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.