Lei islâmica será implementada em partes do Paquistão

Em troca, Taleban anuncia trégua de 10 dias; estratégica, a região é base para ataques dos EUA no Afeganistão

Agências internacionais,

16 de fevereiro de 2009 | 07h54

O Paquistão aceitou impor a lei islâmica em parte do noroeste do país, uma região cada vez mais controlada por milicianos pró-Taleban, como parte de um acordo de paz com os radicais, informaram funcionários do governo local. A decisão veio à tona depois das negociações entre o governo paquistanês e os grupos armados da região do Vale do Swat, um antigo paraíso turístico onde os radicais islâmicos ganham cada vez mais influência.   Os funcionários não entraram em detalhes sobre qual tipo de lei islâmica, ou Sharia, seria implementada na região de Malakand, onde fica o Vale do Swat, mas disseram que as leis que não condizem com os códigos islâmicos estão suspensas já a partir de hoje. "Esta foi a exigência do povo. Há um vácuo" jurídico, observou o ministro Amir Haider Khan Hoti. Segundo ele, a alteração não viola a constituição do país nem os direitos humanos na região.   Outros acordos de paz entre governo e milicianos no noroeste paquistanês não se sustentaram no passado, inclusive um abrangendo o Vale do Swat fechado em 2008. Os Estados Unidos normalmente se opõem a tais pactos sob a alegação de que os rebeldes ganham tempo para se reagrupar, mas o atual governo do Paquistão defende que a força militar sozinha não será suficiente para derrotar os extremistas que atuam em seu território, especialmente na remota região de fronteira com o Afeganistão.   A trégua deverá reduzir os duros combates entre militantes islâmicos e o Exército paquistanês na Província de Swat. A violência intensificou-se desde novembro de 2007, depois que Islamabad decidiu reforçar sua presença militar na região tribal, antes um dos principais destinos turísticos do país, para conter a insurgência e combater refúgios da Al-Qaeda. Acredita-se que Osama bin Laden esteja na região entre o Afeganistão e o Paquistão.   Apesar de várias tentativas de acordo com o Taleban já terem fracassado, o Paquistão afirma ser impossível derrotar os militantes apenas pela força, sem uma negociação política. O acordo de trégua foi alcançado após uma visita do enviado dos EUA à região, Richard Holbrooke, que pressionou por uma solução para o conflito.Estratégica, a região de Swat serve de base para ataques contra tropas americanas e da Otan no Afeganistão. O acordo com o Taleban está sendo visto como um teste sobre a capacidade de controle do governo do presidente Asif Ali Zardari em seu território. Em entrevista a TV CBS, Zardadi reconheceu que o Taleban se estabeleceu em "grande parte do país".   A ofensiva mobilizou um grande número de soldados e causou muitas baixas de ambos os lados. Se calcula que pelo menos mil civis tenham morrido nos confrontos e bombardeios aéreos. Um número muito maior de moradores fugiu da violência da área, refugiando-se nas cidades grandes de outras partes do país, criando um problema social.   O Vale do Swat, com seus picos nevados, planícies verdes e lagos, é conhecida como a ‘Suiça paquistanesa'. A região era um das destinações favoritas no país, particularmente popular entre mochileiros europeus e americanos na virada dos anos 1960 e 70. Mas a violência e aumento do fundamentalismo islâmico dos últimos anos tornaram a região praticamente proibida para estrangeiros.  

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.