Lei que condena homossexualidade será abolida na Grã-Bretanha

Os casais de pessoas do mesmo sexo poderão beijar-se em público na Grã-Bretanha sem correrem o risco de serem acusados de ofensa à decência. O governo do primeiro-ministro Tony Blair quer abolir a lei vitoriana que condena a homossexualidade e que foi utilizada para condenar o escritor Oscar Wilde. A reforma - antecipou hoje o jornal The Independent - tende a terminar com a discriminação legal contra os homens homossexuais, equiparando-os, pela lei, aos heterossexuais. O projeto governamental - no âmbito de uma reforma mais ampla da lei sobre crimes sexuais - prevê também a abolição do delito de sodomia e de "sedução com fins imorais", que, da maneira pela qual está agora formulado, só se aplica aos homens. A decisão do governo foi recebida com satifação pelas organizações de direitos civis dos homossexuais. "A atual norma sobre crimes sexuais é anômala e discriminatória, sobretudo em relação aos homens gays", disse o advogado Martin Bowley, presidente de um grupo de apoio aos homossexuais. Já a associação religiosa Christian Institute é de opinião contrária, e afirma que "a lei deve ter uma base moral".

Agencia Estado,

29 Janeiro 2002 | 18h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.