Leite em pó falsificado matou dezenas de bebês na China

O governo chinês ordenou uma limpeza em seu mercado de remédios e alimentos e prometeu dar assistência médica a bebês desnutridos, vítimas de alimentos infantis falsificados, segundo informou, hoje, a Agência Nova China. A inquirição sobre o problema generalizado de alimentos e remédios falsificados segue-se a relatos de mortes por desnutrição de dezenas de bebês alimentados com contrafações e a descoberta de que muitas marcas de leite em pó no mercado estavam fora dos padrões, conforme fontes oficiais chinesas.No início da semana, o premier Wen Jiabao exigiu investigações e ?punições severas? dos responsáveis pelas contrafações de produtos lácteos, muitos dos quais quase não possuem valor nutricional algum.Ontem, a imprensa estatal revelou que a polícia deteve cinco atacadistas suspeitos de vender produtos infantis adulterados na província de Anhui, no leste da China, onde as mortes ocorreram. Entre 50 e 60 crianças morreram de desnutrição depois de serem alimentados com leite em pó.Wen prometeu atendimento médico para as vítimas sobreviventes, que na maioria vivem na cidade de Fuyang, em Anhui, segundo a Nova China. Alimentadas apenas com leite em pó barato, as crianças desenvolveram cabeças desproporcionais enquanto os corpos se mantiveram mirrados em virtude da desnutrição. Até agora, os relatórios oficiais citam 171 casos de crianças sofrendo de desnutrição em razão do leite em pó consumido, duas ainda hospitalizadas. Anteriormente, as autoridades haviam dito que as famílias dos bebês mortos receberiam 10.000 iuanes (US$ 1.200) cada.Muitas das crianças prejudicadas pelas contrafações eram filhos de fazendeiros pobres e sem educação formal, com pouco entendimento de nutrição e dos perigos dos produtos falsificados.O Departamento de Administração de Drogas e Alimentos chinês, o Ministério da Saúde Pública e Ministério do Comércio abriram uma sindicância para descobrir a extensão do problema. Averiguações de mercado em Fuyang encontrou 45 tipos de marcas de leite em pó fora do padrão, produzidos por 141 fábricas espalhadas pelo país. Foram registrados, também, casos em outras províncias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.