Leo Ramirez/AFP
Leo Ramirez/AFP

‘Leopoldo causa mais dano ao chavismo na prisão’

Mulher de líder do partido Vontade Popular preso há um ano denuncia que ele sofre tortura e tratamento degradante

Entrevista com

Lilian Tintori

Guilherme Russo, O estado de S. Paulo

16 de fevereiro de 2015 | 23h00


O opositor venezuelano Leopoldo López completa nesta quarta-feira, 18, um ano na cadeia. Líder do partido Vontade Popular, ele foi preso sob a acusação de incitar violência nos protestos que convocou contra o governo de Nicolás Maduro. Denominado de “A Saída”, o movimento exigia a renúncia do presidente. Na sexta-feira, a mulher do opositor, Lilian Tintori, denunciou que um “comando militar” invadiu violentamente a cela dele na prisão militar de Ramo Verde. Segundo o relato, documentos que López mantinha foram apreendidos e ele foi colocado em confinamento solitário, sem poder receber visitas, a não ser de seu advogado, por 15 dias. Em entrevista por e-mail ao Estado, Lilian denunciou que seu marido tem sido vítima de tortura física e psicológica. A seguir, os principais trechos.

Em sua opinião, o que pode significar o fato de López estar encarcerado há um ano?

É a prova mais patente de que o regime de Nicolás Maduro é antidemocrático, ineficiente e corrupto. Confirma que os venezuelanos estão submetidos às piores arbitrariedades e não têm seus direitos respeitados em seu país.

Quais as principais dificuldades que ele enfrenta na cadeia?

Esteve isolado 6 meses dos 12 que está na prisão e, durante um total de 5 meses, foi privado de luz solar. Mas, apesar disso, está muito forte, sólido moralmente e mais determinado do que nunca.

Ele sofre ameaças?

Sim. O coronel (Homero) Miranda, que é o chefe militar da cadeia, ameaça ele constantemente de suspender as visitas.

Ele sofre tortura física ou psicológica?

Leopoldo tem sido submetido a diferentes tratamentos desumanos e degradantes. Entraram em sua cela para tirar dele seus pertences. Despertam ele nas primeiras horas da madrugada, às 3 horas nos dias de audiência, violam sua correspondência e ele não pode ter conversas confidenciais com seus advogado. Há alguns meses, os guardas da prisão jogaram excremento e urina em sua cela e cortaram a água e a eletricidade por mais de 12 horas.

A sra. tem receio de que algo pior possa lhe acontecer?

Claro, a situação das cadeias venezuelanas é dramática.

A sra. tem esperança de ver seu marido livre proximamente?

Com certeza. Nunca perdi a fé e a esperança é o que me move. Cada dia desperto dizendo que “hoje é o dia” e dando o melhor de mim para conseguir essa libertação – e poder trazê-lo para casa, junto com nossos filhos Manuela, de 5 anos, e Leopoldo Santiago, de 2 anos.

Como ele ocupa seu tempo?

Ele tem uma rotina disciplinada. Levanta-se todos os dias às 5h30, reza, faz exercícios e lê muito. Leopoldo entende que deve fazer tudo o que está a seu alcance para continuar apendendo e se formando – e estar em boas condições físicas e mentais. O tamanho do desafio é imenso e servir à Venezuela requer a melhor preparação. Dentro dessa situação dramática, ele tenta obter vantagem do encarceramento com a leitura, cultivando seu espírito.

Se as autoridades venezuelanas dessem ao sr. López a possibilidade de sair da Venezuela em troca de sua liberdade, ele aceitaria? Por quê?

Não, com certeza não. Ofereceram a Leopoldo duas vezes abandonar o país. A primeira, quando o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, veio negociar sua entrega após os protestos de 12 de fevereiro de 2014 – e ofereceu que Leopoldo fosse embora. Ele respondeu que ir embora não era uma opção e a clandestinidade também não, que ele ia enfrentar esse sistema para desmascarar sua injustiça. A segunda vez, quando Nicolás Maduro, em discurso televisionado nacionalmente, disse que Leopoldo podia ser trocado por um preso porto-riquenho que está nos Estados Unidos e ir para os Estados Unidos. Essa não é uma opção. Leopoldo jamais abandonaria seu povo. Prefere estar preso fisicamente e com a alma livre.

López prejudica mais o chavismo dentro ou fora da prisão?

Dentro da prisão, definitivamente, Leopoldo causa mais dano. O governo não parece se dar conta de que mantendo Leopoldo preso e violando sistematicamente seus direitos na prisão deixa em evidência que é um governo transgressor, que tem profundo desdém pelo respeito aos direitos de seus cidadãos. Desde que Leopoldo está preso, ficou evidenciada a ausência do estado de direito, a falta de separação de poderes e independência judicial, todos os fatores que comprometem seriamente a vocação democrática do regime.

Como a sra. vê a atuação internacional pela libertação de López? É suficiente? É eficiente?

É muito importante cada pronunciamento. Cada reconhecimento dessa injustiça fortalece a causa da justiça. As instituições mais respeitadas de direitos humanos – como os diferentes organismos das Nações Unidas, a Anistia Internacional, a Human Rights Watch – e os vários líderes internacionais deram seu apoio irrestrito a sua libertação.

A presidente brasileira, Dilma Rousseff, deveria, em sua opinião, usar sua influência na região para tentar libertar López?

Qualquer pessoa – e mais ainda uma líder da América Latina – está em pleno direito de levantar a sua voz e aproximar-se da região com uma agenda de respeito aos direitos humanos. Creio que não somente a presidente Dilma, mas muitos líderes latino-americanos têm a responsabilidade de definir que tipo de região querem ter no século 21 em matéria de respeito aos direitos individuais.

Quais são os próximos passos dos defensores de López para tentar libertá-lo?

Já obtivemos os pronunciamentos internacionais vinculantes para sua libertação das Nações Unidas, por meio do Grupo de Trabalho contra Detenções Arbitrárias, do Comitê contra Tortura e do Alto-Comissariado para Direitos Humanos. Além disso, ONGs de direitos humanos como a Anistia Internacional e a Human Rights Watch também pedem a por sua libertação, por falta de provas ou elementos jurídicos que o incriminem. Esse caso é eminentemente político. Por isso, queremos continuar gerando consciência. Esse caso transcende o tema de Leopoldo, é um caso de profunda importância porque reflete o atropelo aos direitos humanos. Esse nível de deterioração é uma ameaça para toda a região. Digo isso com responsabilidade. Toda a região pode sofrer o impacto dessa situação caótica.

Como a sra. vê a intenção do Vontade Popular de lançar a candidatura de López à Assembleia Nacional? A sra. crê que isso é possível?

Isso é algo que foi discutido e, do ponto de vista da popularidade, é perfeitamente viável. Leopoldo tem amplo respaldo popular e o povo, acredito, não duvidaria em respaldá-lo se ele for candidato. Por isso o governo tem esse medo todo dele.

A sra. tem intenção de disputar um assento na Assembleia? Como a sra. vê a estratégia de Rosa Scarano e Patricia Ceballos, que disputaram e ganharam as prefeituras de que seus maridos foram destituídos?

Não planejei para mim uma opção política. Estou concentrada e dedicando todo o meu esforço e energia a essa luta pela liberdade de nossos presos políticos e pela reivindicação dos nossos direitos. Não sou política, o político é Leopoldo. Patricia Ceballos e Rosa Scarano são mulheres de muitíssimo valor, comprometidas não somente com seus maridos mas com o povo da Venezuela. Representam o melhor da mulher venezuelana: coragem, determinação, compromisso e sentido de serviço público. Entenderam o tamanho do desafio que enfrentamos com muita altivez.

A sra. acredita que, diante da baixa mobilização que as últimas convocações de protestos da oposição, seria possível que os venezuelanos exigissem nas ruas a libertação do sr. López?

A baixa mobilização é um reflexo de incontáveis torturas e atropelos e, mais recentemente, do decreto 8.610, que autoriza aos militares o uso de força letal para reprimir manifestações – sem maior regulamentação nem instrução para sua implementação, o que, para muitos, tem sido interpretado como uma “licença para matar”. Os jovens, porém, voltaram a tomar as ruas neste 12 de fevereiro, em claro desafio à repressão e enaltecendo o valor do exercício do protesto como meio pacífico, democrático e constitucional de exigir desse regime respeito e melhorar a qualidade de vida dos venezuelanos. É impossível evitar que os venezuelanos deixem de elevar a sua voz.

Há mobilização popular pela libertação de López? Manifestações são capazes de conseguir isso?

Definitivamente, as manifestações são outra ferramenta para reivindicar nossos direitos e protestar diante da injustiça e da impunidade. Isso é um instrumento fundamental para demonstrar a esse governo que o povo da Venezuela não vai continuar aceitando arbitrariedades, é a clara demonstração de nossa vocação cívica.

 

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaLilian Tintori

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.