Letta diz que Itália corre riscos potencialmente fatais

O primeiro-ministro italiano, Enrico Letta, pediu aos parlamentares nesta quarta-feira que "aproveitem o momento" e afastem o país de "riscos potencialmente fatais".

AE, Agência Estado

02 de outubro de 2013 | 05h45

Letta fez um pronunciamento ao Senado antes de um planejado voto de confiança que deve decidir se seu governo de coalizão permanece no poder.

A votação foi convocada depois que Silvio Berlusconi, chefe do Partido Povo da Liberdade, ordenou que seus ministros que renunciassem aos cargos no gabinete. Berlusconi também havia dito a todos os seus parlamentares que votassem contra o governo e a favor de novas eleições.

A votação será realizada depois que os senadores reagirem ao discurso de Letta e após o primeiro-ministro responder aos legisladores. A votação está prevista para ocorrer por volta das 8h00 (de Brasília).

"A estabilidade é um valor absoluto", disse Letta, lembrando que a Itália teve apenas três primeiros-ministros - embora vários governos - durante a era do pós-guerra até 1968, quando houve um rápido crescimento econômico. As coisas ficaram ruins depois de 1968, disse Letta, que começou sua carreira política como um democrata cristão, mas agora é o segundo oficial na hierarquia do Partido Democrata. O atual partido de Letta é o sucessor do antigo Partido Comunista da Itália.

Letta explicitamente pediu pelo menos mais 12 meses de poder, alegando que seu gabinete está "prestes de ser capaz de" conduzir importantes reformas institucionais.

Novas eleições só levariam a uma outra votação inconclusiva e outra administração de ampla coalizão, em grande parte, devido a peculiaridades na lei eleitoral atual, afirmou Letta.

Ele também insistiu que os problemas judiciais de Berlusconi - acima de tudo, uma condenação por fraude fiscal que pode bani-lo de cargos públicos - não devem ser misturados com o processo político.

O primeiro-ministro acrescentou que a Itália precisava baixar os impostos gerais e aumentar a sua competitividade. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
itáliapolítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.