Levante popular pede renúncia de premier húngaro

Pelo menos 150 pessoas ficaram feridas na noite de segunda para terça-feira (horário local), apósviolentos confrontos entre a polícia e manifestantes em Budapeste, onde desde domingo a população pede a renúncia do primeiro-ministro, o social-democrata Ferenc Gyurcsany.No fim de semana, uma gravação de Gyurcsany reconhecendo ter mentido para vencer as eleições de abril passado foi revelada. Em conseqüência, cresceram os protestos dos oposicionistas, pedindo a queda do governo. Segundo fontes policiais, os confrontos de segunda-feira aconteceram em frente à sede da televisão pública. Durante a noite, um grupo de manifestantes ocupou parcialmente o edifício. Cerca de 100 policiais e 50 manifestantes ficaram feridos, segundo a polícia. Na tarde de segunda-feira, 10 mil pessoas sereuniram diante do Parlamento húngaro, na praça Kossuth. Segundo a agência "MTI", a violência começou quando um grupo de mil pessoas se dirigiu ao edifício da televisão, atendendo aochamado de Laszlo Toroczkai, dirigente de uma organização radical que exige a transmissão ao vivo da leitura de um manifesto. A polícia tentou impedir a entrada no edifício utilizando gás lacrimogêneo e canhões de água. Mas cerca de 30 pessoas conseguiram entrar no prédio. Na praça onde ficam a sede da emissora e a embaixada dos Estados Unidos, os manifestantes incendiaram vários veículos. Eles danificaram também o monumento aos heróis soviéticos que morreram na cidade ao fim da Segunda Guerra Mundial. Os manifestantes, segundo a imprensa local, incendiaram várias instalações e roubaram equipamentos. A polícia só retomou oedifício depois das 3 horas da madrugada (horário local). O ministro do Interior, Joszef Petretei, apresentou sua renúncia a Gyurcsany, que não aceitou o pedido.GravaçãoOs protestos começaram depois de Gyurcsany ter admitido que seu governo socialista mentiu a respeito da economia para vencer as eleições.As declarações de Gyurcsany foram gravadas em um encontro com parlamentares poucas semanas depois das eleições de abril. Não está claro como a gravação vazou, mas trechos foram veiculados na rádio estatal.Nesses trechos, Gyurcsany afirma que são necessárias duras reformas econômicas. O primeiro-ministro agradece "a divina providência, a abundância de recursos na economia mundial e centenas de truques" por manter a economia às claras. "Nós mentimos de manhã, nós mentimos à noite", diz Gyurcsany na gravação, em um discurso cheio de obscenidades.No domingo, Gyurcsany apareceu na TV estatal ressaltando a necessidade de "conter a avalanche de mentiras que tem coberto o país ao longo de muitos anos". O primeiro-ministro defendeu seu linguajar, dizendo que foi usado durante um encontro com amigos e colegas, e que ele estava orgulhoso de seu "discurso apaixonado".Os confrontos de segunda-feira foram os piores na Hungria entre manifestantes e polícia desde a queda do comunismo e o estabelecimento da democracia no país, no fim dos anos 80.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.