Líbano anúncia novo governo em meio a protestos violentos contra o Hezbollah

Novo primeiro-ministro sunita Najib Mikati prometeu 'estender a mão' a todos.

Tariq Saleh, BBC

25 de janeiro de 2011 | 12h21

Mikati já foi primeiro-ministro do Líbano em 2005

O presidente libanês, Michel Suleiman, apontou nesta terça-feira o candidato da oposição, Najib Mikati, para o cargo de primeiro-ministro, abrindo caminho para a formação de um governo liderado pelo grupo Hezbollah.

De acordo com um comunicado da Presidência, o empresário bilionário sunita Najib Mikati conquistou o voto de 68 parlamentares, contra 60 do ex-premiê Saad Hariri.

Segundo a Constituição libanesa, o posto de premiê deve ser ocupado por um muçulmano sunita.

Mikati já foi primeiro-ministro durante três meses em 2005, logo após a morte do então premiê Hafik Hariri, pai de Saad.

Em sua primeira declaração após sua nomeação, Mikati disse que "sua mão estava estendida a todos".

"Eu agradeço a todos os deputados que me nomearam. Eu garanto ao presidente Suleiman que irei cooperar em formar um novo governo. Começo as consultas com os blocos parlamentares na quinta-feira", falou ele.

Violência

Enquanto o Parlamento libanês votava na consulta presidida pelo presidente do país, simpatizantes dos partidos que formam o bloco 14 de Março, liderado por Hariri, foram às ruas em protestos que ocorrem desde a segunda-feira contra um possível governo do Hezbollah e o que eles chamam de "golpe" orquestrado pela oposição para permitir que Irã e Síria controlem o Líbano. A oposição, liderada pelo Hezbollah, é apoiada pelos governos sírio e iraniano.

Ocorreram protestos em várias cidades do país nsta terça-feira

Os protestos logo se transformaram em atos de violência em várias regiões do país e na capital Beirute, com bloqueios a estradas, incluindo a principal rodovia que liga o país à fronteira com a Síria. Nas ruas da capital Beirute e de Trípoli, a segunda maior cidade do país, partidários de Hariri queimaram pneus e bloquearam ruas.

Em alguns pontos das duas cidades, jornalistas libaneses e estrangeiros foram agredidos com pedradas, deixando alguns profissionais de imprensa com ferimentos leves. Algumas emissoras de TV, como a Al Jazeera e Al Jadid tiveram seus veículos queimados.

Tiroteios teriam ocorrido em bairros no oeste e sul de Beirute. Estradas foram bloqueadas por simpatizantes de Hariri no norte e sul do país, assim como em regiões do Vale do Bekaa, no leste do Líbano.

O Exército aumentou o contingente de tropas para garantir que não houvessem confrontos entre militantes de Hariri e da oposição.

As forças de segurança libanesas divulgaram um comunicado dizendo que a situação estava sob controle mas que "poderiam ocorrer distúrbios mais graves que não seriam tolerados".

'Moderado'

Alguns analistas acreditam que Najib Mikati poderá trazer harmonia ao cenário político libanês.

O próprio Mikati, de 55 anos, disse que sua candidatura defende posturas "moderadas, consensuais e centristas".

Natural de Trípoli, no norte do país, é considerado um aliado próximo à Síria e disse que suas ações "serão de consenso e que falariam por si só".

O líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, já havia declarado no último domingo que um novo governo deveria ser de unidade nacional, já que a oposição, segundo ele, não pretendia governar sozinha.

Mas Hariri, que é apoiado pelos Estados Unidos e pela Arábia Saudita, disse que não trabalhará com um premiê escolhido pelo Hezbollah, que tem o apoio do Irã.

A recente crise política do país começou com a saída do Hezbollah e seus aliados do governo no dia 12 por causa das conclusões, ainda não divulgadas publicamente, de um inquérito sobre o assassinato de Hafik Hariri.

Acredita-se que a investigação acuse o Hezbollah. O grupo nega a autoria do ataque e acusa o tribunal da ONU de servir aos interesses dos Estados Unidos e de Israel.

O grupo vinha exigindo que o governo de Hariri parasse de cooperar com a corte e deixasse de financiá-la.

Após a saída do Hezbollah da coalizão de governo, Saad Hariri permaneceu no cargo de premiê interinamente e esperava formar uma nova coalizão, mas a mudança de lados do líder druso Walid Jumblatt deu maioria ao grupo xiita no Parlamento.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.