Líbano anuncia ter frustrado ação extremista

Soldados libaneses detiveram nove supostos extremistas islâmicos que pretendiam atacar a Embaixada dos Estados Unidos em Beirute e seqüestrar ministros de governo do Líbano, informou um funcionário do alto escalão do governo local. Sob condição de anonimato, a fonte disse que, entre os detidos, há sete libaneses e dois palestinos. Ainda de acordo com o funcionário, não se sabe se os suspeitos estão ligados à rede extremista Al-Qaeda, liderada pelo milionário saudita no exílio Osama bin Laden.Seus comentários vieram à tona horas depois de o Exército libanês ter divulgado um comunicado segundo o qual membros de uma rede extremista foram detidos quando planejavam um ataque à embaixada de um "importante país ocidental", termo normalmente utilizado pelos libaneses em referência aos Estados Unidos. A representação diplomática americana em Beirute informou que não comentaria o assunto.De acordo com o comunicado do serviço secreto do Exército, a rede extremista havia sido exposta e seus membros foram detidos com o auxílio de forças sírias estacionadas no Líbano. A Síria possui cerca de 25.000 soldados em território libanês. O comunicado não informava identidade nem número de detidos. Esclarecia apenas que os suspeitos foram interrogados e entregues às "autoridades judiciais competentes".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.