Líbano: Começa a mais delicada operação para a retirada de brasileiros

Um comboio com seis ônibus transportando um grupo de 305 brasileiros saiu do Vale do Bekaa, no leste do Líbano, em direção a Damasco, na Síria, na mais delicada operação de retirada de brasileiros da região desde o início dos bombardeios israelenses contra alvos no sul do Líbano, no último dia 12. Antes da operação, os governos brasileiro e israelense entraram em intensas negociações sobre a melhor rota para o comboio. Os ônibus começaram a sair da madrugada desta segunda-feira e no início da manhã, horário de Brasília. Na terça-feira, um vôo fretado pela TAM, transportando cerca de 225 brasileiros, sairá de Adana, na Turquia, e deve chegar ao Brasil no dia seguinte. A operação de retirada de brasileiros no Líbano foi intensa nesta segunda-feira, dia em que o segundo vôo da Força Aérea Brasileira (FAB) trazendo 150 brasileiros que estavam no Oriente Médio chegou ao País. Com o grupo que chega hoje, o total de brasileiros repatriados é de 248. Assim como o primeiro vôo, que pousou na última terça-feira com 98 passageiros, a aeronave teve uma escala no Recife, para reabastecimento do avião, pousou em São Paulo e chegou ao Rio à tarde.Operação delicada A definição da rota do comboio que saiu do Vale do Bekaa, no Líbano, em direção à Damasco exigiu uma negociação delicada entre o governo brasileiro e o israelense. Após dias de divergências que caminhavam para um incidente diplomático, o governo brasileiro obteve de Israel permissãopara fazer a retirada de brasileiros do Vale do Bekaa pela fronteira oriental. Com isso, a travessia pode ser feita em uma hora e meia e não em 14 horas, caso a retirada tivesse de ser feita pela fronteira Norte, como exigia o governo israelense. "Foram intensas as negociações entre o Brasil e Israel e, enfim, prevaleceu o bom senso", afirmou o embaixador Everton Vargas, coordenador do grupo de apoio a brasileiros afetados pelo conflito entre Israel e milícias do Hezbollah.Para alcançar seu intento, segundo o relato do diplomata, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim apelou até para a intermediação da secretária da Defesa dos Estados Unidos, Condoleezza Rice, que visitou a região do conflito. Mas o fator decisivo, a seu ver, foi "a persistência e a incrível capacidade de convencimento", que Vargas atribui ao chanceler brasileiro.A retirada foi organizada em conjunto por representações diplomáticas brasileiras no Oriente Médio e os moradores da região. Os brasileiros que partiram do vale do Bekaa devem ficar em abrigos comunitários organizados pelo consulado na Síria, enquanto aguardam a retirada do Oriente Médio."No fim das contas, tivemos um número bem menor de pessoas pegando os ônibus do que o esperado. Acreditávamos que mais de 800 pessoas iriam tentar sair nesta segunda-feira, mas apenas cerca de 300 apareceram", disse o cônsul-geral do Brasil em Beirute, Michael Gepp.Segundo o diplomata, o ministro Celso Amorim deixará na terça-feira Genebra em direção à cidade turca, para tentar garantir o transporte para os brasileirosTambém na terça-feira, outro avião da FAB chegará ao País com 70 passageiros. Nos próximos dias, 455 brasileiros devem deixar a região. Na quarta-feira, 225 serão transportados pela TAM, enquanto na quinta, mais 150 serão trazidos pela FAB. Na sexta-feira acontece o último vôo, quando outros 70 brasileiros chegarão ao Brasil em um vôo da FAB.O Itamaraty divulgou uma série de telefones para auxiliar brasileiros que estão nas zonas de conflito no Oriente Médio ou para pessoas que tenham parentes nestes locais e desejam obter mais informações. Vale lembrar que os países citados estão seis horas à frente do fuso horário de Brasília.Assistência a brasileiros no Líbano, Jordânia, Síria e TurquiaAlém do Consulado-Geral do Brasil em Beirute, os cidadãos brasileiros no Líbano que se encontrem em áreas com dificuldade de acesso à aquela cidade, ou que já partiram para países limítrofes, poderão entrar em contatocom as Embaixadas do Brasil em Aman, Jordânia e em Damasco, Síria, bem como com o Núcleo de Apoio em Adana, Turquia.Consulado-Geral em Beirute (Líbano):Tels.: 00 XX (961) 70-934921 / 00 XX (961) 70-935718 / 00 XX (9611) 49-0401/02/03 Fax: (9611) 49-0405e-mail:consular@consbrasbei.orgConsulado-Honorário do Brasil em Trípoli (Líbano):Tels.: 00 XX (9616) 44-1528 / 00 XX (9616) 41-5299Embaixada do Brasil em Aman (Jordânia):Tels: 00 XX (9626) 592-3941 / 3942Fax: 00 XX (9626) 593-1098Plantão: 00 XX (9627) 9629-3535e-mail: jorbrem@wanadoo.joEmbaixada do Brasil em Damasco (Síria):Tels: 00 XX (963 11) 612-4551 / 4552 / 4557 / 4559Fax: 00 XX (963 11) 612-4553Plantão: 00 XX (963 93) 213-438e-mail: braemsyr@net.syNúcleo de Apoio em Adana (Turquia):Tels: 00 XX (90322) 457-5810 (extensão 372) e 533-7772e-mail: adana@brasembancara.orgEm BrasíliaPlantão da Divisão de Assistência Consular do Itamaraty. Exclusivo para questões relativas a atendimento de brasileiros no exterior. Tels: 00 XX (61) 9983-0157 / 9983-0137 / 9983-0164 / 9976-8205Texto atualizado às 20h00

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.