Líbano não congelará bens do Hezbollah

O governo do Líbano não congelará os bens da organização fundamentalista islâmica Hezbollah pois a considera um movimento de resistência e não um grupo terrorista, afirmou hoje o ministro libanês das Finanças, Fuad Saniora.Na semana passada, Washington incluiu o Hezbollah (partido de Deus) na lista dos 22 supostos grupos terroristas que estarão sujeitos ao bloqueio de suas contas bancárias, mesmo que não tenham vínculos com Osama bin Laden, considerado pelos EUA como principal responsável pelos ataques terroristas de 11 de setembro em Nova York e em Washington.Saniora disse, durante entrevista à emissora de rádio A Voz do Líbano, que o tema será discutido na próxima sexta-feira durante uma reunião de gabinete, mas espera que os ministros rechacem a denominação "terrorista" para o Hezbollah. "Para o Líbano, há uma diferença entre grupos terroristas e grupos que lutam pela libertação de seus países", afirmou o ministro.No domingo, o líder do Hezbollah, xeque Hassan Nasrallah, disse tratar-se de "uma grande honra" o fato de seu grupo ter sido considerado um inimigo pelos Estados Unidos, país considerado por ele como "o grande satã".O Hezbollah, formado por militantes muçulmanos xiitas, lutou contra as forças israelenses no sul do Líbano por 18 anos e recentemente recebeu o reconhecimento do governo libanês.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.