Líbano pede desculpas para a Dinamarca devido à violência

O gabinete libanês pediu desculpas à Dinamarca, nesta segunda-feira, devido aos protestos violentos que levaram ao incêndio da embaixada dinamarquesa em Beirute. O ministro da Informação, Ghazi Aridi, disse que o governo "rejeita e condena os atos violentos que feriram a reputação do Líbano e sua imagem civilizada".Pelo menos uma pessoa morreu, 30 ficaram feridas e cerca de 200, de diversas nacionalidades, entre elas sírias, palestinas e libanesas, foram presas no último domingo, disse o primeiro-ministro Fuad SanioraAlém de incendiar a embaixada dinamarquesa, os manifestantes jogaram pedras contra a igreja católica Maronita, no primeiro ataque à católicos desde que os protestos começaram.O ministro do interior do Líbano, Hassan Sabei, entregou sua demissão na sessão da tarde do gabinete no domingo, devido à grande crítica contra a falha da forças de segurança do Líbano, que perdeu o controle das ruas por três horas.Sabei, como outros políticos libaneses e o líder espiritual do Líbano, Mufti Mohammed Rashid, sugeriu que os radicais islâmicos devem acabar com os atos violentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.