Líbano registra confrontos entre partidários e detratores do regime sírio

Choques envolveram habitantes de Bab el Tabaneh, de maioria sunita, e de Jabal Mohsen, onde a população é majoritariamente alauíta

EFE,

28 de julho de 2012 | 06h35

BEIRUTE - Pelo menos dez obuses disparados desde a Síria caíram neste sábado, 28, em zonas fronteiriças no norte do Líbano, enquanto na cidade libanesa de Trípoli há novos enfrentamentos entre partidários e detratores do regime sírio. Fontes policiais informaram que oito projéteis atingiram a aldeia de Dababiye e outros dois caíram em Arma e Al Nura, todas perto da fronteira entre as duas nações.

 

Na sexta-feira, 27, outros quatro obuses atingiram essa mesma região, onde está o maior número de refugiados sírios que fogem da violência em seu país. Enquanto isso, na cidade setentrional de Trípoli, os choques entre os habitantes de dois bairros rivais deixaram pelo menos 12 feridos, segundo as fontes.

 

Os confrontos, que começaram por volta da meia-noite local, envolveram os habitantes de Bab el Tabaneh, de maioria sunita, e de Jabal Mohsen, onde a população é majoritariamente alauíta (a confissão do presidente sírio, Bashar Assad). Esses bairros foram, nos últimos meses, cenário de violentos incidentes que têm como pano de fundo a crise síria.

 

Desta vez, os choques se estenderam depois aos bairros de Al Rifa, Al Mankubin, Al Shaarani, Al Hara, Al Barraniyeh e Zuk al Qamh, nos quais agora há relativa calma. A segurança no Líbano se deteriorou nos últimos meses, nos quais houve sequestros, ataques das forças sírias ao outro lado da fronteira e enfrentamentos armados entre detratores e seguidores do presidente sírio em Trípoli e em Beirute.

 

A Síria acusa "grupos terroristas" de organizar desde o Líbano ataques contra suas tropas e enviar armas aos insurgentes. Os dois países têm uma fronteira comum de 330 quilômetros, cuja demarcação até agora não foi estipulada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.