Mohammad Hannon/AP
Mohammad Hannon/AP

Líbano suspende ajuda a refugiados sírios

Autoridades libanesas alegam otivos 'técnicos' e não políticos

estadão.com.br,

11 de julho de 2012 | 15h43

TRÍPOLI - As autoridades libanesas suspenderam a ajuda financeira aos refugiados sírios no norte do país, informou uma fonte do governo nesta quarta-feira, 11. "A assistência concedida por meio do Conselho Superior de Socorro foi temporariamente suspensa", disse um funcionário do escritório do primeiro-ministro Najib Mikati à agência France Presse, acrescentando que "a razão por trás da suspensão é técnica, não política".

Veja também:

link Embaixador sírio para o Iraque desertou, diz oposição

link Kofi Annan diz que presidente da Síria discute formar um governo de transição

link Refugiados sírios podem ser 185 mil até fim do ano

Segundo a fonte, "muitos sírios estão chegando ao Líbano para fazer tratamento e afirmam ser desabrigados, mas isso não é verdade. Esta situação tem provocado caos e o conselho precisa reorganizar seus trabalhos."

De acordo com o Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), mais de 26.900 sírios foram registrados como refugiados no Líbano, embora ativistas afirmem que o número seja muito maior. Grandes grupos de sírios feridos - a maio parte deles proveniente de áreas próximas como Homs - buscam tratamento médico no norte do Líbano.

Ativistas expressaram preocupação com a decisão do governo, particularmente sobre como isso pode afetar o tratamento de sírios que estão no país. "Na terça-feira, um homem de Qusayr não foi atendido em um hospital público de Trípoli", segundo Mustafa Obeid, que coordena o tratamento para sírios feridos na cidade do norte libanês. "Ele teve de ser levado a um hospital particular e seu tratamento foi bancado totalmente por um doador privado."

O Comitê de Coordenação de Refugiados Sírio no Líbano disse em comunicado que, embora o atendimento tenha sido formalmente suspenso agora, há alguns dias sírios feridos têm tido seus pedidos de atendimento negados.

"Nós também percebemos que a condição dos feridos em hospitais públicos de Trípoli é muito ruim", diz o comunicado. "Esperamos que o governo libanês reverta sua decisão, que é contrária aos direitos dos feridos."

Chipre

O Chipre também não deve receber mais refugiados sírios. Anteriormente, o governo havia anunciado ter planos de receber 200 mil refugiados, o equivalente a um quarto de sua população.

Com Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.