Liberação de conta emperra negociação com Coréia do Norte

As negociações multilaterais destinadas a acabar com o programa nuclear norte-coreano sofreram uma interrupção nesta terça-feira, 20, devido a disputas sobre a liberação de uma conta bancária congelada.Os Estados Unidos anunciaram na última segunda-feira que os US$ 25 milhões do regime norte-coreano retidos no Banco Delta Ásia (BDA), em Macau, seriam entregues a Pyongyang para usos humanitários assim que possível. Washington suspeita que o dinheiro seja fruto de atividades ilícitas, o que a Coréia do Norte nega. Mas o momento da liberação ainda depende de acertos entre a Coréia do Norte e Macau. Enquanto isso, a delegação norte-coreana se recusa a participar das reuniões com os outros cinco participantes do processo em Pequim."Segundo a anfitriã China, a Coréia do Norte está dizendo que não vai participar das negociações a não ser que confirme que os fundos no BDA foram transferidos para sua conta na China", disse o representante japonês, Kenichiro Sasae, a jornalistas. "A China pediu à Coréia do Norte que se apresentasse, mas a Coréia do Norte não o fez. Não houve progresso nenhum hoje." Um porta-voz chinês confirmou que o encontro desta terça-feira entre os representantes de Estados Unidos, China, Japão, Rússia e as duas Coréias foi cancelado. "Após as conversas bilaterais, não sobrou tempo", afirmou. NegociaçõesAntes dessa reviravolta, o representante norte-americano, Christopher Hill, havia dito que as negociações se voltariam para a desativação do reator nuclear de Yongbyon, prevista para ocorrer até meados de abril, em troca de ajuda econômica e de garantias de segurança ao regime comunista norte-coreano. Ele afirmou ainda que já começariam a serem discutidos os passos posteriores do desarmamento da Coréia do Norte.Embora ainda não haja confirmações de quando as contas pudessem ser liberadas, a agência sul-coreana de notícias Yonhap disse ter ouvido de fontes bancárias em Macau que o governo deve liberar o dinheiro norte-coreano na próxima quarta-feira.Em fevereiro, os seis países fecharam um acordo para incentivar a Coréia do norte a cancelar seu programa de enriquecimento de plutônio. O Conselho de Segurança da ONU havia estabelecido um prazo de 60 dias para que ao país abandonasse seu programa nuclear.Em retorno, o regime de Pyongyang receberia energia e ajuda econômica internacional, além de normalizar as relações com os Estados Unidos e com o Japão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.