REUTERS/Kim Kyung-Hoon
REUTERS/Kim Kyung-Hoon

Liberal é favorito para presidir Coreia do Sul após cassação de Park

Moon Jae-in, ex-presidente do Partido Democrático, tem 29,9% das intenções de voto, muito à frente do segundo colocado, An Hee-jung, da mesma legenda

O Estado de S.Paulo

13 de março de 2017 | 08h42

SEUL - O ex-presidente do Partido Democrático, Moon Jae-in, se mantém como claro favorito nas pesquisas para vencer as eleições presidenciais da Coreia do Sul que serão realizadas após a confirmação do impeachment de Park Geun-hye. O candidato liberal obteria 29,9% dos votos no país asiático, segundo dados de uma pesquisa realizada pela emissora pública "KBS" e pela agência de notícias "Yonhap" e divulgada nesta segunda-feira, 13.

A pesquisa, feita no final de semana, depois que na sexta-feira o Tribunal Constitucional ratificou o impeachment de Park, mostra Moon com o mesmo apoio que tinha em fevereiro e situa muito atrás, no segundo lugar, o governador da Província de Chungcheong do Sul, An Hee-jung, também do Partido Democrático.

O presidente interino e ex-primeiro-ministro, Hwang Kyo-ahn, aparece em terceiro com 9,1% de apoio, apesar de o político conservador não ter manifestado ainda sua intenção de concorrer na eleição presidencial.

Outro candidato do Partido Democrático, Lee Jae-myung, e Ahn Cheol-soo, do liberal Partido Popular, aparecem em quarto e quinto nas pesquisas com uma intenções de voto de 9% e 8,4%, respectivamente.

O escândalo da "Rasputina" que custou o posto de Park Geun-hye, prejudicou muito a credibilidade do governante Partido da Liberdade (antes chamado Saenuri) e do Bareun, a outra grande legenda conservadora que se cindiu da primeira depois que o caso foi revelado.

Prova da saturação dos sul-coreanos com estes dois blocos é que Moon é o primeiro nas pesquisas em todas as províncias do país, exceto em Kangwon (nordeste) e na ilha de Jeju (sul). O político liberal domina as pesquisas até mesmo em duas fortificações conservadoras, a Província de Gyeongsang do Norte e o distrito especial de Daegu, de onde é oriunda a ex-presidente Park.

O Tribunal Constitucional ratificou na sexta-feira passada a cassação de Park aprovada pelo parlamento em dezembro por sua conexão com o caso da "Rasputina". A corte considerou que a ex-presidente vulnerou a Carta Magna ao permitir que sua amiga Choi Soon-sil, conhecida como "Rasputina", interferisse em assuntos de Estado sem ostentar cargo público, e ao confabular com ela para extorquir fundos de grandes empresas.

Com sua cassação, Park, a quem a procuradoria considera suspeita na trama de corrupção, fica desprovida de sua imunidade. Já o país está obrigado a realizar eleições presidenciais em um prazo inferior a 60 dias com a maioria dos analistas apontando o dia 9 de maio como a data ideal para convocá-las. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.