Libéria: combates se estendem ao porto da capital

Mísseis e fogo de morteiros castigaram nesta sexta-feira o porto da capital da Libéria, enquanto as forças governamentais do presidente Charles Taylor assaltavam a zona residencial casa por casa - roubando as desesperadas famílias retidas em suas residências durante os quatro dias do cerco rebelde. Com o número de mortos se aproximando da casa dos milhares e corpos se acumulando nas ruas de Monróvia, os moradores da cidade também continuam sem acesso ao suprimento de alimentos, que continuam nos portos.A escassez de mercadorias fez os preços do arroz, da farinha e de outros produtos triplicarem - quando se consegue comprá-los.Os insurgentes, que controlam mais de 60% do país, parecem encaminhar-se para seu objetivo final, que é o de tomar a capital e derrubar o presidente Charles Taylor, processado por um tribunal da ONU por crimes de guerra e que ocnta com numerosos inimigos após fomentar conflitos armados em outros países da África Ocidental e a guerra civil na Libéria em 1989.Hoje, os mediadores da África Ocidental pediram aos rebeldes e às forças governamentais que voltem ao cessar-fogo acertado entre as partes em 17 junho. Ontem, o presidente dos EUA, George W. Bush, pediu a Taylor que deixe o poder.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.