Libéria pede que funcionários fiquem em casa

A presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, ordenou que a maioria dos funcionários públicos fique em casa por mais um mês, em um esforço para acabar com a propagação do vírus ebola, de acordo com um comunicado divulgado nesta segunda-feira.

AE, Estadão Conteúdo

01 de setembro de 2014 | 12h01

Sirleaf exigiu que os trabalhadores não essenciais deixem de trabalhar. A presidente prometeu que todos os funcionários do governo ainda serão pagos. As escolas da Libéria já estão fechadas na tentativa de manter um grande número de pessoas de se reunir e propagar da doença. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
LIBÉRIAEBOLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.