Libertação de reféns mata 3 islamitas na Caxemira

O ataque permitiu a libertação dos dois civis que ainda estavam presos pelos supostos fundamentalistas

EFE

25 de dezembro de 2007 | 06h02

Três supostos militantes islamitas morreram durante uma operação das forças de segurança para libertar reféns cativos numa mesquita da Caxemira indiana desde domingo. Na ação, realizada segunda à noite, os agentes indianos lançaram bombas de gás lacrimogêneo ao templo de Palnu, ao sul de Srinagar, para forçar a saída dos três supostos membros do grupo Hizbul Mujahideen. Eles trocaram tiros com a Polícia e dois morreram. Um terceiro, que conseguiu escapar e se escondeu num dos minaretes da mesquita, foi também abatido pelas forças de segurança. O ataque permitiu a libertação dos dois civis que ainda estavam presos pelos supostos fundamentalistas no templo - horas antes, outros três conseguiram fugir. Os militantes se refugiaram domingo no local, que acabou cercado pelas forças indianas de segurança. A ação só ocorreu diante das tentativas frustradas de negociar a libertação dos civis. Nenhum dos reféns se machucou, e a mesquita também não sofreu danos materiais. A Caxemira é palco de atuação de diversos grupos islamitas que lutam pela independência ou a anexação ao Paquistão deste território, em disputa com a Índia desde a independência das duas nações, em 1947.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.