Libertação de terrorista líbio completa um ano

O governo britânico advertiu hoje a Líbia que qualquer celebração do aniversário da libertação de Abdel Baset al-Megrahi seria ofensiva às famílias das vítimas do ataque contra um avião da Pan Am sobre a cidade de Lockerbie, na Escócia, em 1998.

AE-AP, Agência Estado

20 de agosto de 2010 | 19h03

Al-Megrahi é a única pessoa condenada por ligação com o atentado. Em 2001, ele foi condenado a 27 anos de prisão, mas em 20 de agosto de 2009 foi libertado por razões humanitárias, pois sofre de câncer de próstata.

Em comunicado pedindo à Líbia que mostre prudência, o Ministério de Relações Exteriores da Grã-Bretanha descreveu o atentado à bomba que matou as 259 pessoas que estavam a bordo e 11 que estavam em terra como "o pior ato de terrorismo da história britânica".

Antes da libertação de al-Megrahi, que estava numa prisão escocesa, os médicos disseram que ele provavelmente viveria apenas por mais três meses. Muitos familiares das vítimas ficaram indignados com a recepção como herói que ele recebeu ao voltar para a Líbia e com sua longevidade.

"Particularmente neste aniversário entendemos a contínua angústia que a libertação de al-Megrahi causa aos familiares das vítimas tanto na Grã-Bretanha quando nos Estados Unidos", disse a chancelaria. "Qualquer celebração da libertação de seria revoltante, ofensiva e profundamente insensível", acrescentou.

A decisão de libertar al-Megrahi foi tomada pelo governo escocês e não pelo governo britânico, em Londres. O primeiro-ministro David Cameron, que na época era líder da oposição, condenou a medida. "O governo está certo de que a libertação de al-Megrahi foi um erro, tanto o atual primeiro-ministro quanto o atual ministro de Relações Exteriores deixaram isso claro na época", diz o comunicado do ministério.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.