Libertações aliviam pressão sobre país à beira da bancarrota

A libertação de 52 presos políticos permitirá que o presidente Raúl Castro reduza a tensão dentro e fora da ilha, concentrando-se na luta para tirar o país da crise econômica. Analistas apontam que Raúl tenta superar um tema que danificou a imagem, as relações diplomáticas e comerciais de Cuba, prejudicando a sua economia.

Análise: Jeff Franks, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2010 | 00h00

Havana quer que o Congresso dos EUA aprove um projeto de lei que acabe com o veto para que os americanos visitem a ilha. A medida aliviaria o embargo de 48 anos e poderia levar milhares de turistas e investimentos para o país. Delegações comerciais dos EUA que visitaram Cuba disseram que apoiarão a aprovação da lei. A medida pode não ser suficiente para uma mudança de posição dos EUA, que exigem a libertação do americano Alan Gross, detido em dezembro por suspeita de espionagem.

É JORNALISTA DA "REUTERS"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.