Libertado 26º dissidente cubano

Metade dos presos políticos cuja libertação foi prometida por Cuba já viajou à Espanha

Efe

20 de agosto de 2010 | 04h56

HAVANA - O dissidente cubano Juan Adolfo Fernández Saínz foi libertado na quinta-feira, 19, e chegará nesta sexta à Espanha. Ele é o sexto preso político libertado pelo regime de Raúl Castro nesta semana. Sua viagem ao país europeu marca a libertação da metade dos prisioneiros prometida por Cuba em julho.

 

Veja também:

especialEntenda a crise dos presos políticos de Cuba

lista Veja lista dos 52 presos políticos

Segundo fontes da dissidência, o jornalista independente, de 61 anos, foi levado desde a prisão até o aeroporto internacional da capital cubana, onde se encontrou com sua esposa, Julia Núñez, e um irmão dela, que o acompanham na viagem. 

Já são 26 os prisioneiros políticos cubanos que viajaram à Espanha imediatamente após sua libertação, como resultado do diálogo aberto em maio entre o governo do general Raúl Castro e a alta hierarquia da Igreja Católica em Cuba, com apoio da Espanha.

Este processo de libertações, que teve uma primeira etapa entre 12 e 22 de julho quando foram libertados 20 opositores, foi retomado esta semana com o novo grupo de seis.

Além de Fernández Saínz, nos últimos dias foram libertados Fabio Prieto Llorente, Juan Carlos Herrera Acosta, Efrén Fernández Fernández, Regis Iglesias Ramírez e Marcelo Calo Rodríguez, que viajaram à Espanha com familiares entre segunda e quarta-feira.

O governo de Cuba anunciou no início de julho que libertaria 52 presos políticos em um prazo máximo de quatro meses como resultado do processo de diálogo aberto com a Igreja Católica cubana e apoiado pela Espanha.

 

Os dissidentes presos são os remanescentes dos 75 presos na onda repressiva da Primavera Negra de 2003. Eles cumpriam até 28 anos de prisão.

 

A Comissão Cubana de Direitos Humanos, um órgão independente, mas tolerado pelo regime, disse que após a libertação dos 52 dissidentes ainda restarão cerca de 100 presos políticos na ilha. A cifra, no entanto, é contestada por outros órgãos, como a Anistia Internacional, segundo a qual só restará em Cuba um "preso de consciência."

Tudo o que sabemos sobre:
Espanha, Cuba, dissidente, semana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.