Libertado repórter capturado pelo Taleban

Ação de resgate deixa 4 mortos, entre eles intérprete do jornalista do 'NYT'

AP e NYT, CABUL, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2009 | 00h00

Forças britânicas libertaram ontem no Afeganistão o jornalista do New York Times Stephen Farrell, sequestrado pelo Taleban no sábado. Mas o intérprete do repórter - o afegão Sultan Munadi -, outros dois civis e um militar britânico foram mortos durante a operação.

Farrel e Munadi estavam em Kunduz, no nordeste do Afeganistão, quando foram sequestrados. Eles estavam no local investigando um ataque aéreo da Otan que, na sexta-feira, deixou 90 mortos - pelo menos metade civis. A ação, ordenada por um oficial alemão, tinha como alvo dois caminhões-tanque da Otan que haviam sido capturados pelo Taleban.

O jornalista, que é britânico, disse que Munadi foi atingido durante uma troca de tiros entre rebeldes e militares. "Ele gritou "jornalista", "jornalista", antes de ser alvejado", contou Farrell, acrescentando que não sabe se os tiros que mataram o intérprete partiram dos militares ou dos taleban.

Em Londres, o Ministério da Defesa informou que não descarta a possibilidade de o afegão ter sido morto por fogo britânico e confirmou a morte de um de seus soldados.

A família já enterrou Munadi, impossibilitando a realização de um exame para determinar quem o matou. Jornalistas afegãos protestaram, dizendo que as forças internacionais não se preocupam com os repórteres locais. Autoridades afirmaram que um líder taleban e a dona da casa que, por ordem dos rebeldes, servia de cativeiro também morreram.

Não foi a primeira vez que Farrell foi sequestrado. Em 2004, ele foi capturado por insurgentes em Bagdá, quando trabalhava para o jornal Times, de Londres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.