Libertados, militares dizem que estavam em águas iraquianas

Os 15 militares britânicos detidos pelo Irã no dia 23 de março e que foram libertados na última quarta-feira, disseram neste sábado, 6, que a embarcação estava em águas iraquianas, e não iranianas, como afirmaram em vídeos divulgados pelo Irã.Em entrevista coletiva, os britânicos relatam terem sido ameaçados com sete anos de prisão caso não admitissem a invasão de águas iranianas. "Lá de dentro, lutar contra eles não era uma opção", disse o capitão britânico Christopher Air durante entrevista coletiva em Londres. Ele reafirmou que o navio estava em águas iraquianas quando foi capturado.Os militares britânicos disseram ainda que foram interrogados agressivamente e sofreram "pressão psicológica".A única marinheira entre os detidos, Faye Turney, ficou isolada dos outros capturados por decisão dos militares iranianos, disseram os britânicos durante a coletiva.SuspensãoO Reino Unido declarou ainda nesta sexta-feira a suspensão de todas as operações que o país fazia no golfo Pérsico.O almirante Jonathon Band afirmou que as operações estão suspensas até que seja resolvido o impasse da captura dos 15 militares navais pelo Irã. "No momento estamos com as operações e patrulhamentos suspensos até que seja feita uma revisão completa sobre o caso", disse Band.Band, defendeu ainda o comportamento dos marinheiros, que "reagiram muito bem em circunstâncias muito difíceis".Chegada a LondresO vôo BA 6634 vindo de Teerã pousou no aeroporto de Heathrow às 8h02 (horário de Brasília) desta quinta-feira. Os 15 marinheiros e fuzileiros navais foram transferidos para helicópteros militares e voaram para uma base militar em Devon, a sudoeste de Londres, para um encontro com suas famíliasOs familiares fizeram festa com a chegada dos militares. O governo do Reino Unido, no entanto, disse que pretende continuar as investigações sobre o que aconteceu de fato na captura dos 15 marinheiros. O premier britânico, Tony Blair, afirma não ter negociado com Teerã e acredita que embarcação não invadiu águas iranianas.O governo do Irã, por sua vez, afirma que Blair pediu desculpas por erro e isso agilizou libertação dos militares.CapturaNo dia 23 de março, a Guarda Revolucionária Iraniana havia capturado 15 militares e marinheiros britânicos alegando invasão de território marítimo. Os britânicos participavam de uma operação de vigilância de fronteiras, inspecionando um navio cargueiro.Desde então, o governo do Reino Unido, os Estados Unidos e a União Européia pediram que o Irã libertassem os detidos.O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, alegando ser um "presente de Páscoa", anunciou a libertação dos marinheiros na quarta-feira, durante uma entrevista coletiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.