Líbia anuncia libertação de quatro jornalistas do 'The New York Times'

Repórteres foram capturados por forças de Kadafi e devem ser libertados ainda hoje, diz governo

AE, Agência Estado

18 de março de 2011 | 10h36

Os quatro jornalistas do diário The New York Times desaparecidos na Líbia desde a última terça-feira foram capturados por forças do governo e serão libertados hoje, informou o próprio jornal norte-americano.

 

Veja também:

 especial Linha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Gustavo Chacra: Votação mostra nova ordem geopolítica

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especial Infográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio 

 

 

"Os repórteres desaparecidos do NYT foram encontrados e devem ser libertados nesta sexta-feira", disse o porta-voz do jornal, Robert Christie, em uma mensagem no Twitter.

 

O diário informou o público sobre a desaparecimento dos quatro na quarta-feira. Eles sumiram perto da cidade portuária de Ajdabiya, durante confrontos entre rebeldes e forças do ditador Muamar Kadafi.

 

Fazem parte do grupo o repórter Anthony Shadid, duas vezes vencedor do Pulitzer, o cinegrafista Stephen Farrel - que foi capturado pelos membros do Taleban em 2009 e resgatado por comandos britânicos - e os fotógrafos Tyler Hicks e Linsey Addario, ambos com ampla experiência em Oriente Médio e África.

 

Os editores do diário tiveram o último contato com os jornalistas na terça-feira de manhã (em Nova York), quando eles cobriam a retirada dos rebeldes da cidade de Ajdabiya.

As forças do líder líbio, Muamar Kadafi, recuperaram quase todo o controle de Ajdabiya depois de dois dias de incessantes bombardeios.

 

O jornalista iraquiano Ghaith Abdul-Ahad, de 35 anos, preso há 15 dias em Sabrata, na Líbia, em companhia da reportagem do Estado, foi libertado no dia 16. O enviado especial Andrei Netto havia sido libertado no dia 10.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.