Líbia impõe prazo para fim de sanções americanas

Em entrevista publicada pelo jornal americano The New York Times, o primeiro-ministro da Líbia, Shukri Ghanim, disse que os Estados Unidos devem agir rapidamente para compensar seu país pelo abandono do programa de armas secretas. Ele avisou que, se os Estados Unidos não suspenderem até 12 de maio as sanções que pesam sobre a Líbia, o país se verá desobrigado de pagar os US$ 6 milhões prometidos a cada família das vítimas do vôo 103 da PanAm.Segundo o Times, Ghanim afirmou que quaisquer decisões do governo Bush são estritamente um "assunto interno" dos Estados Unidos, mas que os prazos finais e suas conseqüências, registrados no acordo com as famílias do atentado em Lockerbie, são bem conhecidos de todas as partes, inclusive de altas autoridades do governo.As famílias das 270 pessoas que morreram quando terroristas líbios explodiram o jato sobre a localidade de Lockerbie, Escócia, receberam US$ 4 milhões cada uma pelo acordo assinado em setembro último, que levou a ONU a suspender suas sanções. No acordo, a Líbia insistiu numa cláusula especificando que as famílias não receberão a totalidade dos US$ 10 milhões prometidos a menos que os EUA suspendessem as sanções e retirassem a Líbia da lista de Estado que apóiam o terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.