Líbia minimiza saída de ministro das Relações Exteriores

O governo da Líbia minimizou hoje a saída do ministro das Relações Exteriores, Moussa Koussa, do regime de Muamar Kadafi. Segundo a administração, o regime "não depende de indivíduos", na primeira admissão da saída de Koussa do governo. "Esta é uma luta por toda a nação. Não depende de indivíduos ou funcionários", independentemente de seus cargos, disse o porta-voz do governo, Mussa Ibrahim. Koussa chegou ontem a Londres, vindo da Tunísia. Ele disse que deixou seu posto e viajou "por sua própria vontade", segundo a chancelaria britânica.

AE, Agência Estado

31 Março 2011 | 11h12

O ministro das Relações Exteriores, William Hague, disse hoje que Koussa não recebeu imunidade. Koussa já foi chefe do serviço de inteligência de Kadafi e apontado como culpado por atrocidades como o atentado contra um avião em 1988, em Lockerbie. "Moussa Koussa não recebeu oferta de qualquer imunidade da justiça britânica ou internacional", afirmou Hague. Segundo o chanceler britânico, a deserção mostra que há muitos funcionários que estão passando para a oposição a Kadafi. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Líbia ataques saída chanceler

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.