Líbia nega ter assumido responsabilidade pelo atentado de Lockerbie

A decisão da Líbia de pagar indenizaçãopelo atentado contra o vôo da Pan Am sobre Lockerbie, Escócia,não significa que o país assumiu a culpa pela explosão, afirmounuma entrevista divulgada hoje (24) o primeiro-ministro líbio. Em agosto, a Líbia aceitou formalmente responsabilidade peloatentado de 1988 contra o avião da Pan Am que matou 270 pessoas,concordando em pagar uma indenzação de US$ 2.7 bilhões aosparentes das vítimas. Numa carta às Nações Unidas, a Líbia afirmou que "aceitaresponsabilidade pelas ações de seus oficiais", um dos quais foicondenado pela explosão. O primeiro-ministro Shokri Ghanem disse à rádio BBC que aLíbia concordou com o pagamento a fim de melhorar suas relaçõescom países ocidentais e garantir a suspensão das sanções da ONUcontra o país do Norte da África. "Depois das sanções e dos problemas que tivemos devido àssanções, a perda de dinheiro, pensamos que seria mais fácil paranós comprar a paz e é por isso que aceitamos uma compensação",afirmou Ghanem, na entrevista gravada na Líbia. Perguntado se o pagamento de indenização não significava umaadmissão de culpa, Ghanem replicou: "Concordo, e é por isso quedigo que compramos a paz". James Swire, cuja filha Flora morreu na explosão do Vôo 103 daPan Am, disse que os comentários de Ghanem está "fora do roteirocom tudo que a Líbia vinha dizendo". "O fato é que um agente da inteligência líbia foi condenadopor uma corte escocesa na Holanda", acrescentou. Já o professor Paul Wilkinson, do departamento de relaçõesinternacionais da Universidade St. Andrews, Escócia, não ficousurpreso com as declarações de Ghanem. "Se você ler nas entrelinhas dos comentários feitos pelasautoridades líbias e pelo (líder líbio Muammar) Khadafi, elesevitaram cuidadosamente fazer qualquer pedido de desculpas",lembrou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.