Líbia nega uso de bombas proibidas contra civis

A Líbia refutou hoje acusações de que tenha atacado bairros residenciais da cidade de Misrata, no oeste do país, com as chamadas bombas-cacho, proibidas em mais de cem países por uma convenção internacional. A denúncia de que as bombas foram usadas contra civis foi feita na sexta-feira pela organização de direitos humanos Human Rights Watch.

AE, Agência Estado

16 de abril de 2011 | 12h04

"Nós os desafiamos a apresentar provas," disse o porta-voz do governo líbio, Moussa Ibrahim, negando as acusações da organização não governamental (ONG). As bombas-cacho são banidas em 108 países por sua capacidade de causar danos, de forma indiscriminada, em áreas com um tamanho equivalente a até quatro campos de futebol. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.