Líbia negocia libertação de estrangeiros detidos no Afeganistão

O governo da Líbia está em contato com o regime afegão do Taleban sobre os oito funcionários estrangeiros detidos em Cabul sob acusação de tentar converter muçulmanos ao cristianismo, informou Seif el-Islã Kadafi, o segundo filho do líder líbio, Muammar Kadafi, em uma entrevista publicada hoje pelo jornal berlinense Tagespiegel. Kadafi filho, que também é presidente da Fundação Kadafi para Organizações Filantrópicas, afirmou que "o ministro das Relações Exteriores do Taleban já havia contactado a fundação antes mesmo de 11 de setembro para resolver a questão dos funcionários detidos da Shelter Now". Os oito empregados da organização não-governamental alemã Shelter Now Internacional - quatro alemães, dois norte-americanos e dois australianos - foram detidos em agosto e são mantidos presos pela milícia Taleban. O Ministério das Relações Exteriores da Alemanha vem trabalhando para a libertação dos funcionários e mantinha contato com eles através de advogados paquistaneses. Mas o porta-voz da chancelaria, Andreas Michaelis, afirmou hoje que não recebe notícias dos estrangeiros detidos no Afeganistão desde 24 de outubro. Na entrevista ao jornal alemão, Kadafi filho disse que os contatos com o Taleban continuaram mesmo depois do início, há um mês, da campanha militar norte-americana no Afeganistão, com o último diálogo sobre o assunto tendo sido realizado na última semana. Segundo ele, o Taleban espera algumas concessões políticas em troca da libertação dos estrangeiros, "mas nós ainda não discutimos os detalhes". A Líbia não deu reconhecimento diplomático ao Taleban, mas Kadafi garantiu que "a ajuda humanitária ao povo afegão fez com que as relações com o regime melhorassem". Ele não deu maiores detalhes sobre o tipo de auxílio. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.