Ismail Zitouny/Reuters
Ismail Zitouny/Reuters

Líbia: Partido islâmico diz que liberais lideram eleições em Tripoli e Benghazi

Maioria dos eleitores está concentrada na capital e na cidade de Benghazi, no leste

Agência Estado,

08 de julho de 2012 | 10h32

TRÍPOLI - O líder de um dos principais partidos islâmicos da Líbia disse neste domingo, 8, que a coalizão rival liberal tem uma vantagem sólida nas primeiras eleições do país após a deposição do ditador Muamar Kadafi, informou a AFP.

Veja também:

linkUma pessoa morre e outra fica ferida no leste da Líbia

linkLivres do regime de Kadafi, líbios vão às urnas pela primeira vez desde 1954

tabela ESPECIAL: Primavera Árabe

 "A Aliança das Forças Nacionais conseguiu bons resultados em algumas cidades importantes, com exceção de Misrata. Eles estão na liderança em Trípoli e Benghazi", disse Mohammed Sawan, chefe do partido Justiça e Construção.

A maioria dos eleitores está concentrada na capital, que fica no oeste do país, região desértica e rica em petróleo, e na cidade de Benghazi, no leste. "Mas é uma corrida apertada para nós no sul", acrescentou.

Ontem, os líbios votaram para eleger os integrantes do Congresso Geral Nacional, uma assembleia legislativa de 200 membros, que vai conduzir o país na transição após a deposição de Kadafi no ano passado. Um total de 80 assentos no congresso está reservado para entidades políticas, enquanto os 120 restantes estão abertos para candidatos individuais, alguns deles abertamente ligados a partidos específicos.

Dos partidos, a coalizão das Forças Nacionais do ex-premiê do tempo dos levantes Mahmud Jibril é considerada o principal candidato liberal, concorrendo com dois grupos islâmicos - o Justiça e Construção e o Al-Wattan. Sawan afirmou que os resultados são mistos em termos de partidos quando se leva em conta os candidatos individuais.

Os votos ainda estão sendo computados pela comissão eleitoral da Líbia e os resultados preliminares devem ser conhecidos em 48 horas.

As informações são da Dow Jones.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.