Pablo Martinez Monsivais / AP
Pablo Martinez Monsivais / AP

Líder afegão discursa no Congresso dos EUA sobre ameaça do EI

Presidente discursa no Congresso sobre o risco de grupo radical entrar no Afeganistão após retirada de tropas americanas

O Estado de S. Paulo

25 Março 2015 | 18h22


WASHINGTON -  O presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, alertou nesta quarta-feira, 25,  em discurso no Congresso americano para o risco da entrada de membros do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) em território afegão, em seu primeiro discurso na sessão conjunta do Congresso dos Estados Unidos como líder do país islâmico.

O sucessor de Hamid Karzai elogiou os Estados Unidos e agradeceu os sacrifícios do povo americano para defender um Afeganistão livre, mas alertou sobre os desafios que seu país ainda enfrenta.

“Desde o oeste, o Estado Islâmico já está enviando avanços até o sul e o oeste do Afeganistão para pôr a prova nossas vulnerabilidades. No sul, as operações de contrainsurgência do Paquistão, onde mais de 40 mil pessoas morreram, já estão pressionando os taleban do Waziristão do Sul para as regiões fronteiriças do Afeganistão”, alertou.

Gani explicou que seu país está contendo as múltiplas ameaças regionais e globais que emergem da sociedade islâmica, e ressaltou a necessidade de o mundo compreender o perigo que o EI representa. “A natureza em transformação do terror não poderia ter se formado sem que alguns estados tolerassem, financiassem, e dessem abrigo (aos terroristas), e os atores não violentos se transformassem em instrumentos de políticas míopes”, disse. “É fundamental que o mundo entenda a terrível ameaça que o EI representa para os Estados da Ásia ocidental e central.”

O líder, que está nos Estados Unidos para estabelecer os fundamentos de suas relações bilaterais, chegou na terça-feira a um acordo com o presidente americano, Barack Obama, para desacelerar a saída das tropas americanas do país, um de seus principais pedidos. /EFE

Mais conteúdo sobre:
EUA Estado Islâmico Afeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.