Líder alemão diz que extrema direita não é fenômeno momentâneo

O chefe de governo do estado alemão daSaxônia-Anhalt, Georg Milbradt, disse nesta terça-feira que a extrema direita nãoé um "fenômeno momentâneo" e que o chamado "voto de castigo", quefavorece esse tipo de partido, pode atingir um eleitorado estável. "Não devemos simplesmente esperar que isso seja apenas uma ondaque, de repente, pode passar", disse o conservador Milbradt, que élíder de um dos três estados federados do leste da Alemanha em que aextrema direita tem cadeiras parlamentares. O Partido Nacional Democrático (NPD), de extrema direita, obtevenas eleições regionais do estado de Mecklemburgo-PomerâniaOcidental, no último domingo, 7,3% dos votos. Há dois anos, opartido conseguiu 9,2% dos votos na Saxônia-Anhalt. A presença desse partido nesses dois estados federados se soma àda União do Povo Alemão em Brandemburgo, no território da extintaRepública Democrática Alemã (RDA), e em Bremen, no oeste do país. No último domingo, também foram realizadas eleições regionais emBerlim, onde o NPD obteve 2,6% dos votos e ficou fora do Parlamento,embora tenha conseguido a representação em cinco conselhos dedistritos, em sua maioria no leste. A ascensão da extrema direita em Mecklemburgo-Pomerânia Ocidentalnão foi uma surpresa, já que as pesquisas já previam o resultado. Noentanto, as pesquisas de boca-de-urna demonstraram que, em suagrande maioria, o eleitorado do NPD é de eleitores novos. Os analistas atribuem essa evolução à persistente penúriaeconômica do leste do país, onde a taxa de desemprego é o dobro dado oeste, assim como à falta de perspectiva de trabalho e deincentivos para a juventude dessa parte da Alemanha. Todos os partidos democráticos disseram estar preocupados comesse novo avanço e a chanceler Angela Merkel, que foi criada emMecklemburgo e hoje é presidente da União Democrata-Cristã (CDU),qualificou-o de "extraordinariamente preocupante". O Conselho Central dos Judeus da Alemanha atribuiu nasegunda-feira o avanço do NPD, tanto em Mecklemburgo-PomerâniaOcidental como nos distritos de Berlim, a um fracasso da luta contraa extrema direita. A ministra da Família, Ursula von der Leyen, anunciou ontem, aocontrário do que foi inicialmente previsto por seu departamento, oprolongamento da ajuda às iniciativas cívicas que fazem programas dedivulgação e lutam contra a extrema direita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.