AFP PHOTO / Josep LAGO
AFP PHOTO / Josep LAGO

Líder catalão não resolverá crise com Madri ao convocar eleições, diz ministro espanhol

Em entrevista, Rafael Catalá afirmou que ‘quando o governo propõe uma opção tão extrema quanto o Artigo 155 é porque acreditamos que houve um sério fracasso’ de Carles Puigdemont em cumprir suas funções

O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2017 | 09h42

MADRI - O líder da Catalunha, Carles Puigdemont, não pode resolver a crise política com Madri apenas convocando eleições regionais, disse o ministro de Justiça espanhol, Rafael Catalá, nesta terça-feira, 24.

+ O riso como antídoto contra a crise na Catalunha

Madri anunciou que vai impor um regime direto sobre a Catalunha para combater uma tentativa de independência que a corte constitucional espanhola declarou ilegal, invocando poderes nunca antes utilizados para desfazer o governo regional e forçar a realização de novas eleições. O Senado da Espanha planeja votar a implementação do regime direto na sexta-feira.

+ Entrevista: ‘Teremos uma crise por muitos anos na Catalunha’

“Quando o governo propõe uma opção tão extrema quanto o Artigo 155 é porque acreditamos que houve um sério fracasso de Puigdemont em cumprir suas obrigações”, disse o ministro da Justiça em entrevista. “Tudo não é consertado apenas convocando uma eleição.”

Na quinta-feira, o Parlamento da Catalunha realizará uma sessão plenária na qual discutirá uma resposta a Madri após o governo central espanhol ter anunciado que vai impor regime direto sobre a região.

A realização da sessão era uma exigência do grupo mais radical do separatismo na Catalunha, o partido de extrema esquerda CUP, que alertou, em um comunicado que a intervenção no governo regional por parte de Madri terá uma resposta na "desobediência civil em massa". / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.