EFE/NATHALIE SAYAGO
EFE/NATHALIE SAYAGO

Líder chavista planejou contratar sicário para matar Marco Rubio, diz imprensa

Documento produzido Departamento de Segurança Interna dos EUA no mês passado e enviado às forças de segurança local e estadual apontou que Diosdado Cabello se comunicou com um cidadão mexicano sobre plano contra senador republicano

O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2017 | 11h51
Atualizado 15 Agosto 2017 | 15h35

WASHINGTON - O dirigente chavista Diosdado Cabello planejou contratar um sicário mexicano para assassinar o senador americano Marco Rubio, segundo um documento do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos obtido por vários meios de comunicação dos EUA.

"(Diosdado) Cabello Rondón ordenou (...) assassinar o senador Rubio. Além disso, se comunicou com um cidadão mexicano não especificado para esse propósito", diz a circular, à qual tiveram o diário Miami Herald e o site especializado "Politico", entre outros.

Trata-se de um memorando enviado pelo Departamento de Segurança Interna às forças de segurança local e estadual, indica a publicação. Na nota, da qual não foram publicados todos os detalhes por motivos de segurança, está especificado que Cabello "chegou a falar sobre como obter o dinheiro para matar Rubio".

"As alegadas ameaças do político venezuelano não eram específicas e não estavam corroboradas por fontes suficientes para merecer uma explicação detalhada (...), mas a situação era suficientemente preocupante para que a polícia do Capitólio e as forças de segurança no condado de Miami-Dade fornecessem segurança a Rubio", explica o site.

A informação foi antecipada primeiro no domingo pelo jornal Miami Herald e depois vários meios de comunicação obtiveram o documento. Consultado, o Departamento de Segurança Interna não respondeu por enquanto sobre estes relatos da imprensa.

No domingo, depois da divulgação da matéria pelo jornal, Cabello usou sua conta no Twitter para compartilhar uma mensagem dizendo que Rubio era um "criador de falsos positivos".

"O senhor @marcorubio além de ser um narcotraficante é um maligno criador de falsos positivos! Agora dizem que @dcabellor (Diosdado Cabello) quer assassinar o NarcoRubio", dizia a mensagem, publicada originalmente na rede social pelo perfil do programa Zurda Konducta (Conduta de Esquerda, em tradução livre), exibido pela emissora estatal VTV.

Marco Rubio, senador republicano pela Flórida de origem cubana, é um dos políticos americanos mais críticos ao governo de Nicolás Maduro e talvez o mais ativo na pressão ao presidente Donald Trump para que siga impondo sanções a representantes do oficialismo chavista.

A sua postura crítica o levou a enfrentamentos públicos, na rede social Twitter, com o próprio Cabello, que em um desses desentendimentos, recentemente, o chamou de "Narco Rubio", a quem ele respondeu: "Diosdado Pablo Escobar Cabello está inusualmente nervoso e agitado nesta manhã".

Cabello, um dos dirigentes mais importantes do oficialismo chavista, é membro da recém-instalada Assembleia Nacional Constituinte, que tem o mandato de escrever uma nova Carta Magna, órgão que os Estados Unidos - além da oposição venezuelana e boa parte da comunidade internacional - consideram "ilegítimo". / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.