Líder comunista e dezenas são presos na Rússia

Forças de segurança da Rússia prenderam 41 ativistas durante protestos contra a forma com que o primeiro-ministro, Vladimir Putin, lida com a crise econômica no país, informou a polícia. Eduard Limonov, chefe do banido Partido Nacional Bolchevique, está entre os que foram detidos, quando estava prestes a fazer um pronunciamento durante uma manifestação no centro de Moscou."Além dele (Limonov), cerca de 10 a 15 pessoas foram presas na praça Trimumphalnaya no centro de Moscou", disse o porta-voz do líder, Alexander Averin. Outros ativistas foram detidos em outro protesto, em Moscou, organizado por defensores do ex-campeão mundial de xadrez e crítico do Kremlin, Garry Kasparov. A agência de notícias Interfax, citando uma força de segurança, disse que o líder do movimento jovem de oposição Nós, Roman Dobrokhotov, também foi preso em um protesto perto da sede do governo. Mais cedo, milhares de pessoas realizaram uma demonstração pró-governo perto do Kremlin, gritando slogans a favor de Putin e do presidente, Dmitry Medvedev. Os organizadores disseram que 5 mil pessoas participaram dessa demonstração, enquanto a polícia informou a presença de 8 mil pessoas. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.